Destaques Previdência

Consignado aumenta

6 de outubro de 2020

Os segurados do INSS que já haviam comprometido todo o limite de sua renda com empréstimos consignados conseguem, até 31 de dezembro deste ano, contratar um novo crédito. O governo ampliou de 35% para 40% o percentual que o aposentado ou pensionista pode comprometer do benefício com o empréstimo. A ampliação está na medida provisória 1.006, publicada na sexta-feira, 2, e vale só para o empréstimo com desconto no benefício. Os bancos ainda estão se adaptando à medida, segundo informa a Febraban (Federação Brasileira de Bancos). Com isso, não devem liberar imediatamente a nova margem.

O que você também vai ler neste artigo:

  • Consulta no site
  • Soma
  • Número de contratos

Consulta no site

Para saber se tem direito ao crédito maior, o segurado pode fazer a consulta no site ou no aplicativo Meu INSS. Em “Extrato de Empréstimo Consignado” há o valor. Antes, o limite de 35% correspondia à possibilidade de comprometer até 30% do benefício com o empréstimo e mais 5% com o cartão de crédito consignado. Os 5% do cartão foram mantidos, mas, agora, é possível contratar até 35% em empréstimo pessoal.

Soma

Com a nova regra, quem comprometeu 30% em empréstimo com desconto no benefício poderá pedir mais 5%. Se o segurado tinha comprometido 20%, tem direito a mais 15%, até somar 35%. A medida, no entanto, valerá somente até o fim do ano, quando termina o estado de calamidade da pandemia de coronavírus. De acordo com o INSS, hoje, há quase 33,9 milhões de contratos ativos de empréstimo pessoal de consignado do instituto em todo o país. Dados da Febraban indicam que o volume movimentado em consignado é de cerca de 66,5 milhões em contratos ativos de aposentados e pensionistas.

Número de contratos

Segundo o INSS, o segurado pode fazer até nove contratos de empréstimo pessoal. No caso do cartão de crédito, é permitida apenas uma contratação apartir de 1º de janeiro de 2021. Quem contratou o limite extra até dezembro deste ano estará com a renda comprometida. Ou seja, não tem mais nenhuma margem para fazer novos empréstimos consignados. Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), as instituições bancárias ainda estão se adequando à medida. Isso significa que, mesmo que o novo empréstimo já tenha sido liberado pelo governo, o segurado talvez não consiga contratá-lo ainda.