Destaques Literatura

‘Como ser leve em um mundo pesado’

6 de novembro de 2020

O jornalista Fernando Rocha conta como reinventou sua carreira ao sair da Rede Globo, após quase 30 anos na empresa. / Foto: Divulgação

Como se reinventar depois de quase trinta anos trabalhando na mesma empresa? Parece uma tarefa difícil quando é imposta, quando sair do cargo não é por vontade própria. E foi assim com Fernando Rocha, apresentador do “Bem Estar”, ao lado de Mariana Ferrão, e que deixou a TV Globo em fevereiro do ano passado. Há quase 30 anos na emissora, ele não sabia o que faria a partir daquele momento.

Fernando Rocha carregou por anos o humor como marca registrada em seu trabalho como jornalista. Em 2018, um encontro inusitado entre ele e Sérgio Mallandro gerou memes e comentários nas redes sociais.

A gente é o que faz e também faz o que a gente é. O humor sempre fez parte da minha rotina. É orgânico. Tudo o que eu fiz e tudo o que ainda vou fazer sempre vai ter essa característica. Quanto ao encontro com o Sérgio, foi mais um meme pra coleção. Natural né?”, brinca Fernando Rocha.

Após sair da Globo, Fernando Rocha percebeu que a alegria que lhe é peculiar, o pensamento positivo e a sua energia poderiam servir para um propósito. Foi então que decidiu escrever o livro “Como ser leve em um mundo pesado”, lançado pela Editora Rocco, no último final de semana.

A busca e o encontro do propósito é algo mais simples do que parece. Aristóteles criou uma definição ótima já faz muito tempo: propósito é quando seus talentos se encontram com as necessidades do mundo. É algo que você sabe fazer e que o mundo precisa. Simples assim”, afirma o jornalista quando foi perguntado sobre o que pretende semear no coração dos leitores.

O jornalista reuniu, na publicação, cinco aprendizados nesse período de mudança pessoal: perceber os sinais, ter iniciativa, rir de si mesmo, ser resiliente e conhecer as próprias emoções. Atualmente, Rocha também é influenciador digital e participa de lives e palestras sobre saúde e bem-estar. Os oito anos comandando um programa de TV sobre essa temática ajudaram.

Um jornalista de TV é também um ‘generalista’. Durante essas três décadas na Globo, passei pelas editorias de quase todos os jornais da casa. Trabalhei em Belo Horizonte, no Rio, em Recife e em São Paulo. Além do esporte, fui também repórter de trânsito, de comunidade, de tudo mesmo. Quando fui chamado para o Bem Estar, eu encarei como mais um dos muitos desafios que tive. Mas é claro que o contato diário com médicos de diferentes especialidades é uma experiência bem diferente da rotina de qualquer redação”, lembra.

Agora, em 2020, a pandemia do novo coronavírus fez com que o jornalista refletisse:

Mudar é um processo natural e inevitável. Nessa mudança, dor e medo são partes integrantes do processo e não podem ser vendidos separadamente. Embora seja uma experiência muito pessoal, existem pontos em comum nesse aprendizado que podem ser úteis pra todo mundo. O clique é de cada um, mas a virada de chave é a mesma. Por isso eu decidi escrever esse livro”, diz Fernando Rocha no primeiro capítulo do livro.