Destaques Geral

Comércio de cerveja enfrenta falta de produtos

17 de outubro de 2020

Algumas marcas sumiram do mercado após a pandemia. / Foto: Divulgação

PASSOS – Passados mais de sete meses do início da pandemia do novo coronavírus, ainda há reflexos negativos em alguns setores da economia brasileira. Um deles é o de comércio de cervejas, principalmente no setor varejista, que aponta falta do produto nas prateleiras e estoques de supermercados e de revendedores, inclusive em bares, lanchonetes e restaurantes de Passos. O gerente do uma empresa que atua em Passos, que preferiu não se identificar, afirma que está enfrentando problemas na entrega de cervejas na região.

Sinto que tudo começa na fabricação dos produtos. De forma geral, as indústrias estão encontrando dificuldades para atender à demanda, que é bastante alta nesse Brasil tropical, mesmo ao longo da pandemia, que registrou queda mínima no consumo de bebidas em geral”, disse.

Na rede de supermercados passense Rilda Supermarket, o comprador Wendel Rocha Farias conta que não há desabastecimento, mas há falta de algumas marcas de cerveja.

Estamos convivendo com essa crise há alguns meses e pode piorar até o final do ano. Por exemplo, não recebo a marca Caracu em lata há três meses, porque, conforme o rapaz da distribuidora, falta alumínio para o envasamento e até mão de obra qualificada por causa da pandemia. Com os pedidos em atraso, é lógico que, mesmo temporariamente, faltam produtos nas prateleiras”, explicou.

José Reis de Paula Januário, o Jarrão, reclama do problema no seu disk-cerveja. “Algumas marcas, faz tempo que não recebo. Uma delas é a Heineken em lata. Até a long neck está em falta. Outra que semana me entregam, outra não, é a Brahma. Para não ficar parcialmente desabastecido com a minha clientela, quando tem, estou tendo que buscar nos atacadões de Passos com preços mais elevados”, lamentou.

Devido à demora para receber alguns produtos, Danilo Silva, fiscal de caixa do Supermercado Tiago, preocupa-se com o possível agravamento da situação nos próximos meses.

Olha, há falta de algumas marcas de cerveja realmente. Os revendedores sempre dizem que é falta de matéria-prima para envasar o líquido nas fábricas, como alumínio e vidro. As distribuidoras estão demorando de 15 a 20 dias para a entrega dos produtos. E se continuar assim, a tendência é piorar mais, inclusive para as festas de fim de ano”, declarou.

O gerente do Mart Minas, Antônio Trigo, assegura que dificilmente faltam as tradicionais marcas de cerveja nas prateleiras. “Nosso setor responsável pelas compras para toda a rede no Estado tem a estratégia de fechar os pedidos com bastante antecedência, e os produtos são distribuídos conforme as necessidades. Nos tempos de hoje, pode ocorrer de uma determinada marca não ser encontrada nas nossas lojas, mas isso dura poucos dias. As mais consumidas sempre estão nas prateleiras”, garantiu.


Embalagens

A Neogrid, empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos, aponta que, em agosto, houve crescimento de 12,08% na falta de produtos nos supermercados brasileiros. Em março, no início da pandemia, o índice era de 11,41%, e chegou a 12,57% em maio. Desde então, o número vem caindo. Para a falta da cerveja, a explicação está na cadeia produtiva, mais especificamente no fornecimento de vidro e lata para a confecção das embalagens. O índice de ruptura, que em 2019 era de cerca de 10%, neste ano chegou a 16%, segundo o monitoramento da empresa.