Destaques Entrevista de Domingo

‘Com contas equilibradas, vamos dar sequência aos programas iniciados’

Por Adriana Dias / Da Redação

25 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação

Luiz Cesar Guilherme, o Cesar da Auto Elétrica, 49 anos, foi reeleito ao cargo de prefeito de Capetinga, cidade 7.152 habitantes, onde nasceu e vive com seus familiares. O produtor rural é filho de Nelson Guilherme e Eva Faleiros Guilherme. Casou-se com Vanice Santos Guilherme, com quem tem os filhos Bruno, Kairo e Maria Clara. Cursou o Ensino Médio e focou os seus esforços no aprendizado como eletricista de veículos, profissão da qual tem muito orgulho.

Filiado ao Democratas, obteve em 15 de novembro exatos 2.147 votos contra os candidatos Reginaldo de Mendonça, do Cidadania; que ficou com 1.164 votos; Roberto Taylor Vieira, do Partido Social Democrático, que contabilizou 778 votos e Ronaldo Rodrigues de Sousa, do Solidariedade, com 117. Para falar sobre a situação em que o município se encontra e quais os desafios para este segundo mandato, a Folha conversou com o prefeito que, quando não está trabalhando, gosta de estar na companhia da família e dos amigos.


Folha da Manhã – O que fez com que se recandidatasse ao cargo de prefeito?

Cesar – Eu me candidatei ao cargo de prefeito novamente justamente para dar continuidade aos trabalhos que foram iniciados na nossa primeira gestão.


FM – A que atribui a sua vitória?

Cesar – Nós atribuímos a vitória nas urnas ao trabalho realizado durante a gestão, na qual toda nossa equipe atuou com honestidade e transparência. Isso fez com que a população soubesse quem escolher e confiasse em nós o seu bem mais precioso: o voto.


FM – Com receita baixa, nível salarial da população que fica em torno de 1,5 salário mínimo, quais são as fontes de receita do município?

Cesar – As principais fontes de receitas do município são a agricultura, algumas indústrias, a pecuária e os repasses dos governos tanto do estado de Minas Gerais quanto dos recursos recebidos do governo federal.


FM – Como o senhor vê – de forma geral – a questão de emprego e renda no município e como pretende aumentar os postos de trabalho?

Cesar – Tendo em vista os incentivos do município durante a gestão 2017-2020, foram criados diversos postos de trabalho. Atualmente contamos com indústria de calçados, biscoitos, instrumentos cirúrgicos odontológicos, cerâmica, dentre outras. Para aumentar os postos de trabalho o município pretende incentivar as indústrias, fornecendo cursos profissionalizantes para a população em geral. E, a agricultura, como no ano de 2019 quando o município realizou o 1º Concurso de Qualidade de Café. Além disso, o município construiu a Usina de Triagem de Recicláveis de Capetinga que iniciou o funcionamento dia 19 de janeiro de 2021.


FM – A covid-19 tem sido um grande problema em todo o mundo. Capetinga é considerada cidade-dormitório, pois muitos moradores trabalham em Franca, Cássia e Passos. Como o senhor vai atuar no sentido de não deixar com que estas pessoas tragam o vírus da covid para a cidade?

Cesar – O município tem investido nas divulgações de medidas de proteção para conter a proliferação da covid-19, pelas redes sociais e alguns dias da semana passam carro de som na rua acompanhados da Polícia Militar e ambulância.


FM – Como as ações anti-covid estão sendo praticadas na cidade?

Cesar – O município de Capetinga aderiu ao Programa Minas Consciente e tem investido na fiscalização do cumprimento das medidas e na divulgação das medidas de segurança.


FM – Capetinga é uma cidade com algumas particularidades. As pessoas têm o costume de se sentar em bancos na calçada para conversar. Como é coibir uma população que está habituada a estas práticas, agora na pandemia?

Cesar – Com o advento das redes sociais, não há no geral, a prática de sentar em bancos nas calçadas para conversar. Porém, o município tem divulgado a importância do isolamento social, uso de máscaras e distanciamento interpessoal.


FM – Como a prefeitura passou do seu primeiro mandato para o segundo? Conseguiu equilibrar as contas?

Cesar – Sim, as contas estão equilibradas. No ano de 2017, assumimos a prefeitura com muita dívida, que foram sendo quitadas no decorrer daquele primeiro ano de gestão. Quitamos débitos junto ao Instituto Nacional de Securidade Social (INSS), com a Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Grande (Ameg), Concursos de Qualidade e Sustentabilidade do Café (Concafé), Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Municípios Sul Mineiros (Cissul), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Municipios do Lago de Peixoto (Cislap), Santa Casa de Passos, inúmeros precatórios que já estavam inscritos, dentre outras, porém, depois de tantas lutas e dificuldades, na transição do primeiro mandato que finalizou em 2020 para o atual mandato, o município está em superávit.


FM – Qual foi o seu primeiro ato administrativo como prefeito reeleito?

Cesar – Demos início à coleta seletiva e colocamos em funcionamento a Usina de Triagem e Reciclagem no município.


FM – Das suas promessas de campanha, quais vai colocar em prática já nestes primeiros três meses?

Cesar – O plano de governo foi pautado na continuidade do trabalho que estava sendo realizado, portanto, vamos oferecer à população todos os programas que iniciamos no primeiro mandato.


FM – Embora Capetinga tenha um Hospital Municipal, não se faz partos na cidade, nem mesmo existe aparelho de Raio X. Esta será uma prioridade em seu segundo governo?

Cesar – Em 2015, o Hospital Municipal foi transformado em Pronto-Socorro, porém nossa prioridade é a construção de um prédio novo para o Pronto-Atendimento com equipamentos necessários, inclusive Raio X. Em razão da pouca demanda, o custo-benefício para o município não é viável implantar hospital, pois, atualmente os pacientes são referenciados para hospitais como Passos. Além disso, o município possui dois PSF’s, além do presente no Distrito de Goianazes, tem parceria com o Cislap e Consórcio Intermunicipal de Saúde do Sudoeste Mineiro.


FM – Quais projetos sociais serão implementados para atender à população mais carente?

Cesar – A defesa civil do município e a assistência social elaborarão o plano de contingência para detectar as áreas mais vulneráveis do município para viabilizar projetos sociais. Tendo em vista as dificuldades enfrentadas pela população em razão do coronavírus, a assistência social está viabilizando projeto para fornecer kits para as gestantes carentes do município, ademais, em razão do desemprego, a secretaria de assistência social tem desenvolvido projetos para fornecer para a população vulnerável cestas básicas, cobertores e kits com produtos de higiene. O município pretende incentivar cursos profissionalizantes no setor de calçados.