Destaques Esporte

Com 3 derrotas em 3 jogos, Lisca deixa o comando do América

15 de junho de 2021

Lisca não é mais técnico do América :/ Divulgação

BELO HORIZONTE – Lisca não é mais técnico do América-MG. O treinador pediu demissão nesta segunda-feira 14 de junho, após entrar em acordo com a diretoria do Coelho. Lisca deixa o comando do América sem pontuar no Brasileirão, com três derrotas em três jogos e está há sete jogos sem vencer, incluindo as finais do Campeonato Mineiro e os duelos contra o Criciúma, que eliminou os mineiros na competição nacional.

O clube havia marcado uma coletiva com o treinador e o coordenador de futebol, Marcus Salum, para a tarde desta segunda-feira, porém, ela não ocorreu, pois deveria ser para oficializar a saída do treinador.

Além de Lisca, devem deixar o Coelho, seu irmão e auxiliar Jorge de Lorenzi, o auxiliar técnico Márcio Hahn e o diretor de futebol, Armando Desessards, que havia sido indicado pelo treinador, com quem trabalhou no Ceará e estava com seu trabalho contestado pela torcida e internamente.

Além dos maus resultados, a falta de reforços pedidos pelo técnico, que desejava 10 atletas para aumentar o nível do elenco americano, não vieram, deixando Lisca incomodado com a possibilidade de não poder fazer uma campanha digna com o Coelho na Série A.

Lisca chegou ao América-MG em 30 de janeiro de 2020 e tinha o trabalho mais longo da elite do futebol brasileiro, ficando à frente do Coelho em 81 jogos, com 40 vitórias, 27 empates e 14 derrotas conseguindo aproveitamento de 60,4%), levando o time mineiro de volta à primeira divisão nacional e às semifinais da Copa do Brasil.

O destino de Lisca pode ser o Internacional, que está em busca de um técnico após demitir Miguel Ángel Ramírez. O ex-técnico do América-MG tinha o trabalho mais longevo da Série A. Agora, Guto Ferreira, do Ceará, é o comandante que está há mais tempo em um time da elite nacional: faz parte do Vozão desde março do ano passado. Por outro lado, um possível destino de Lisca é o Ceará, clube que treinou até abril de 2019 e que vive momento complicado sob comando de Guto Ferreira.