Destaques Do Leitor

Cloroquina

26 de Maio de 2020

Em tempos difíceis, humor negro. Que venham o Vinho quinado (aperitivo de aguardente, traçado com vinho, da década de 50), a água tônica de quinino, da Antárctica naturalmente, e a casca de quina para mastigar. Só não valem quina de mesa e quina de sinuca… Já que casca de árvore está na moda, lembrei-me de outra: barbatimão que, além de curar feridas pelos pajés, por supostamente ser cicatrizante, era usada antigamente nos curtumes. Daria, hoje, um bom creme facial para curtir “cara-de-pau”.

Raul Moreira Pinto – Passos/MG .

Apoio ao governador

O Sr. Romeu Zema foi eleito governador de Minas Gerais no rastro da insatisfação popular que norteou os rumos das eleições de 2018 e no desejo de novas perspectivas para o futuro do nosso estado. Homem modesto, dinâmico e bem-sucedido como empresário, desejava apresentar inovações no trato da coisa pública através de uma administração moderna, comprometida com o desenvolvimento do estado, com destaque para a exploração do seu potencial.

No entanto, ao iniciar sua gestão, encontrou, logo à frente, dois obstáculos desafiadores para sua administração – o astronômico rombo nas contas públicas e as consequências do trágico rompimento da barragem em Brumadinho –, que baixaram drasticamente as atividades de mineração e, consequentemente, a arrecadação estadual, pois a mineração é uma importante fonte de arrecadação de impostos em Minas.

E, para complicar ainda mais a crítica situação, o governador Zema passou a carregar sob seus ombros a responsabilidade de combater a pandemia provocada pelo novo coronavírus, que tem requerido a aplicação de vultosos recursos financeiros de que o estado não tem disponível, acarretando uma situação dramática relativa à quitação da folha de pagamento dos funcionários, dos aposentados e dos pensionistas. Mesmo assim, sua equilibrada atuação à frente do governo de Minas o faz por merecer aplausos e a solidariedade do povo mineiro.

Waldir Pinto Bandeira – Belo Horizonte/MG