Destaques Geral

Clientes reclamam de problemas na rede bancária na onda roxa

10 de abril de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS – Clientes de bancos reclamam de filas e problemas no atendimento em agências de Passos durante a onda roxa, fase mais restritiva do Minas Consciente. Segundo eles, há falta de funcionários para atendimento e também dificuldades em operações nos caixas eletrônicos. Usuários da rede bancária também apontam ocorrências como débitos por conta de saques não realizados devido à falta de cédulas nos equipamentos.

Um cliente, que preferiu não se identificar, afirma ser falta de consideração com quem precisa usar os serviços das agências bancárias.

Tinha uma mulher de uma cidade vizinha que veio só com o dinheiro da passagem, esperando que fosse receber para poder ir embora e não conseguiu, pois tinha que entrar na agência e não estava funcionando”. Outra cliente disse que um idoso ficou com o cartão preso em um dos caixas eletrônicos de uma agência e que não havia ninguém para auxiliá-lo.

Em uma rede social, Suelen Teilon comentou ter ido ao Banco Mercantil em Passos e que a agência estava fechada.

Sem segurança para os caixas, sem nenhum aviso a respeito do fechamento. Pessoas pedindo ajuda. Eu mesma ajudei uma mulher que precisava do dinheiro que veio receber para uma parente acamada. Todo mundo com dificuldade, muitos idosos que não têm quem ajudar. Estou indignada”, relatou. Clientes também apontam falta de cédulas nos equipamentos eletrônicos.

O Banco Mercantil informou, por meio de nota, que a agência está fechada em cumprimento ao decreto 223 do município, que estende a onda roxa até o dia 11 de abril e permite somente o atendimento por caixas eletrônicos. Sobre a falta de cédulas, o banco informa que a instituição repõe dinheiro nos caixas de forma rápida e que todos os equipamentos já foram abastecidos.

Para clientes que alegam ter tentado realizar o saque nos caixas eletrônicos e não conseguiram, o banco informa que, nestes casos, o ressarcimento é feito automaticamente pela instituição e que basta entrar em contato pelo telefone 0800 7070398 e informar a situação.

De acordo com o vereador Plínio Andrade, presidente da Comissão de Administração Pública e Políticas Urbanas e Rural da Câmara Municipal (Capur), há leis que dispõem sobre o assunto no município e cabe ao poder Executivo fiscalizar o cumprimento da legislação.

Por existir leis específicas sobre o assunto, cabe ao poder Executivo a fiscalização e o seu cumprimento, aplicando as penalidades previstas”, disse.

Segundo ele, a percepção é que os bancos não têm cumprido, na íntegra, o que está previsto na legislação, em especial quanto ao tempo de atendimento, e deve ser realizada uma audiência.

Faremos uma audiência para ouvir o município quanto aos resultados da fiscalização, medida em dados palpáveis, tais como relatórios e autuações”, disse.

Plínio também afirmou que, em relação aos bancos, eles devem se adequar às leis previstas no que se refere às filas, tempo hábil de atendimento e a disponibilização de assentos para os clientes.


Leis municipais definem deveres das agências

PASSOS – Em Passos, leis municipais dispõem sobre o atendimento na rede bancária. A Lei n°2.570, de 08 de junho de 2006, estabelece a obrigatoriedade das agências bancárias e demais instituições do sistema financeiro em colocar à disposição dos usuários pessoal suficiente no setor de caixas e máquinas de autoatendimento para a prestação de um serviço digno e profissional a seus clientes.

No artigo 2º, a lei trata do tempo considerado razoável para atendimento ao público, de até 20 minutos, em dias de expediente bancário considerado normal, e de 30 minutos, às segundas-feiras, no primeiro dia útil após os feriados prolongados, e nos cinco primeiros dias úteis do mês.

Já na Lei nº 2.734, de 20 de janeiro de 2009, estabelece sobre a instalação de assentos para as pessoas que aguardam atendimento nas agências bancárias. A Lei nº 2.822 dispõe sobre multa e suspensão do alvará do estabelecimento em casos de descumprimento das normas municipais. As denúncias de descumprimento devem ser feitas ao Serviço de Proteção e Defesa do Consumidor.