Destaques Geral

Cássia reivindica em audiência na ALMG construção de alça de acesso para novo santuário

22 de outubro de 2021

Os participantes enfatizaram a necessidade de melhorar a infraestrutura da cidade para receber o aumento de turistas./ Foto: Daniel Protzner.

BELO HORIZONTE – Deputados e representantes do município de Cássia defenderam, na quarta-feira, 20, a construção de uma alça viária ligando a MG-344 a uma parte a cidade, onde será instalado o maior santuário do mundo dedicado à Santa Rita de Cássia. A proposta teve unanimidade entre participantes de audiência pública realizada pela Comissão Extraordinária de Turismo e Gastronomia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

De acordo com o coorden ador do projeto, padre Julio Cesar Agripino, o complexo religioso ocupará uma área de 180 mil metros quadrados, que contará com o templo (7 mil m2), um centro comercial com 48 lojas, uma casa para o clero com sete suítes, vestiários, sanitários, praça de alimentação, velário e, ainda, uma réplica da casa onde nasceu a santa.

O templo, ainda segundo o religioso, tem espaço para 5 mil devotos sentados e mais 2 mil em pé. O estacionamento será suficiente para abrigar 200 ônibus e mil carros. O santuário está sendo financiado pelo empresário cassiense Paulo Flávio de Melo Carvalho e já custou cerca de R$ 50 milhões.

Pela grandiosidade da obra, o prefeito da cidade, Rêmulo Carvalho Pinto, afirmou que será necessária a construção da variante de ligação para receber os turistas. Ele disse que a expectativa é que a cidade receba 150 mil romeiros na época da inauguração do santuário, marcada para 20 a 22 de maio – período no qual estão previstas diversas atividades de comemoração. “Sem ela (a alça viária) vai ficar difícil o acesso ao local”, advertiu.

O secretário municipal de Turismo de Cássia, Diego Borges Dias, completou que o município de 17,4 mil habitantes não tem infraestrutura para receber tantos visitantes. De ruas estreitas, o volume esperado de carros pode provocar um caos na cidade. A construção da alça está orçada em R$ 11 milhões.

A proposta teve apoio dos deputados presentes à audiência pública: o autor do requerimento, Professor Cleiton, o presidente da comissão, Mauro Tramonte, além dos deputados Antonio Carlos Arantes, Bosco e Dalmo Ribeiro Silva. Eles se prontificaram a unir esforços para intermediar negociações com o governo do Estado para viabilizar o novo acesso viário.

Pronto Socorro

O vereador Luiz Adriano de Souza Machado, Priminho, ressaltou que também precisa de reforma a unidade de pronto atendimento do hospital local para atender aos visitantes. Ele calcula que seriam necessários investimentos entre R$ 900 mil a R$ 1 milhão nas obras.

Complexo deve impactar turismo no Estado

BELO HORIZONTE – A expectativa dos participantes da audiência pública é de que a construção do gigantesco complexo impactará a economia e a movimentação não apenas em Cássia, mas na região e até no Estado. Padre Júlio Agripino lembrou que o município já é uma rota de peregrinação e que deverá atrair ainda mais turistas de todo o País e até do exterior depois da inauguração do santuário.

Andréa Salerno Miguel Sousa, membro da Comissão de Administração do santuário, revelou que já está sendo elaborado um plano de turismo para depois da abertura do complexo que inclui a implantação do turismo de caminho em duas grandes rotas – uma com saída a partir do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté (Região Central), e a outra partindo do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, no município do interior de São Paulo.

Também estão sendo planejadas outras estratégias como o treinamento de famílias para implantação de hospitalidade domiciliar, uma vez que a cidade não tem rede hoteleira; qualificação de guias de turismo como “guardiões dos caminhos” e implantação de aplicativo local para oferecer pacotes de atrações e serviços aos turistas.