Destaques Do Leitor

Cariocas e paulistas beneficiados

11 de julho de 2020

Quem acompanha o futebol mineiro não sabe que o ‘apito amigo’ tirou vários títulos dos nossos clubes para ajudar times do Rio de Janeiro. Com o Cruzeiro, por exemplo, foram dois campeonatos brasileiros doados ao Vasco e Fluminense. Por gol anulado e pênalti inexistente marcado no jogo contra Corinthians, beneficiando o Fluminense. O Galão da Massa, nos anos 80, quando tinha uma seleção, foi eliminado de tudo pelo ‘apito amigo’, beneficiando o Flamengo. O Coelho, sem comentários, deixou de subir para a elite pelo mesmo motivo.

Neste ano, com a seleção que o Atlético-MG está montando, vamos ter de ficar de olho. Não podemos contar com a CBF, protetora de times do Rio e de São Paulo. Em tempo: Juca Kfouri, enquanto não tomou um chute na bunda da Rede Globo, era o maior bajulador de times cariocas. Hoje, está detonando os clubes de Minas no YouTube, falando que o Atlético-MG não está pagando ninguém, massacrando a Raposa sem ter informações do se que passa nessas montanhas.

Ivan Print – Itabira/MG

Ajuda emergencial

Enquanto essa pandemia do covid-19 avança de forma assustadora e dá um nó de caos na atividade econômica, conforme publica o jornal Valor, um estudo da Universidade Federal (UFRJ) do Rio, indica que a ajuda emergencial de R$ 600,00 a mais de 60 milhões de pessoas, incluindo os beneficiários do Bolsa-família, que até 3 de julho último o governo liberou R$ 122,7 bilhões, impediu em 2 pontos percentuais a queda do PIB.

E como observado pelo professor da UFRJ, Joilson Cabral, esses recursos direcionados a famílias de baixa renda alavancou o consumo principalmente de produtos básicos. E, em se consumando a liberação nos próximos meses, como programado de outros R$ 255,7 bilhões, de ajuda emergencial, que pode manter fôlego no consumo, essa recessão econômica que se avista pode ser menor em 4,21 pontos percentuais. E o PIB deste ano, ficar longe do tombo de até 10%, que analistas no mês de abril projetavam para o Brasil, e, se manter em torno dos 6,5%, ou menor ainda, conforme indica pesquisa do Banco Central. Isso se o presidente Jair Bolsonaro, criar juízo, e não continuar atrapalhando com suas crises, e afrontas as nossas instituições que afugentam a confiança do mercado…

Paulo Panossian – São Carlos/SP