Cultura Destaques

Capitólio realiza cadastro de agentes culturais

13 de julho de 2020

Em Capitólio, as principais manifestações culturais são o artesanato e a música. / Foto: Divulgação

CAPITÓLIO – A prefeitura de Capitólio está realizando o mapeamento dos agentes culturais da cidade, com o intuito de traçar um panorama da situação local. O levantamento vai servir para que profissionais do setor possam ser inseridos na Lei Aldir Blanc.

A lei visa ajudar financeiramente agentes e organizações culturais afetados pela pandemia do novo coronavírus. A data para o repasse ainda não foi definida, mas o município já está preparando os artistas. De acordo com Everton Augusto Pessoa D’Avila, coordenador do setor de cultura de Capitólio, o benefício veio em momento oportuno e gerou grande expectativa para o setor.

Com esse mapeamento, queremos elaborar um edital que contemple os artistas da cidade em todos os seus segmentos. Essa questão do cadastro e mapeamento cultural tomou mais corpo em razão da sanção da Lei Aldir Blanc e do momento. Os municípios do Brasil estão na expectativa de que esse dinheiro chegue para auxiliar as manifestações artísticas da cidade, já que o setor foi muito impactado, e em Capitólio não é diferente”.

Everton D’Avila também ressaltou que esse é o primeiro mapeamento que a cidade está realizando.

Uma das exigências da lei é que os artistas estejam cadastrados nacional, estadual ou municipalmente, e, no caso, estamos lançando nosso cadastro cultural. Muitas cidades que já possuíam esse cadastro estão tendo que refazê-lo para atualizar, mas no caso de Capitólio esse é o primeiro cadastro institucional que a prefeitura lança”, explicou.

Em Capitólio, as principais manifestações culturais são o artesanato e a música, conforme comentou o coordenador cultural. E elas serão auxiliadas com o benefício.

Para mim, pessoalmente, é muito importante que haja esse movimento, e essa lei, embora ainda não tenha previsão do repasse, veio em momento oportuno e gera muita expectativa, porque a cultura precisa desse fomento. Então nosso intuito é lançar editais para contemplar diversas manifestações”, disse.

Artistas profissionais, produtores, técnicos, curadores, oficineiros e professores de escolas de arte e capoeira que forem inseridos na Lei Aldir Blanc terão o direito de receber um auxílio mensal de R$ 600,00 durante três meses, porém é necessário preencher os devidos requisitos. São eles: comprovar a atuação no setor cultural nos dois anos anteriores à data da publicação da lei; não ter emprego formal atualmente; não receber outro auxílio do governo (exceto o Bolsa Família); ter uma renda familiar mensal de até três salários-mínimos ou de até meio salário-mínimo por pessoa da família; e ter tido rendimentos de até 28.559,70 em 2018.

No cadastro a ser preenchido pelos profissionais do setor de Capitólio, serão questionados dados gerais sobre o indivíduo e a sua atuação artística. O preenchimento ocorre de forma presencial na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, no Centro de Apoio ao Turista (CAT) do município, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 11h e das 12h30 às 17h.O espaço fica na rua Doutor Avelino de Queiróz, 789, no Centro de Capitólio.