Destaques Geral

Câmara aprova nome para velório municipal

10 de dezembro de 2020

Foto: Divulgação

CARMO R. CLARO – Os vereadores aprovaram na reunião desta semana o projeto de lei que dá nome ao velório municipal. De autoria dos vereadores João Paulo Castro Ferreira e José Joaquim Silva (Zé Pequeno), o PL nº 014/2020 homenageia João Ricardo Bueno, construtor de importantes obras em Carmo do Rio Claro.


Você também pode gostar de:

Sedest passa a atender Bolsa Família em sua sede

Receita Federal identifica indícios de sonegação no Sul de Minas Gerais

João Ricardo Bueno começou no ofício aos 16 anos sob tutela de Pedro Faria. À época, trabalhou na reforma do prédio dos Correios na cidade. Sua primeira grande obra foi o Colégio Monfort, atual Monsenhor Mário Araújo Guimarães. Foram cinco anos dedicados à construção.

Terminado o colégio, ele e Hélio Venturini foram convidados para demolir a antiga Igreja Matriz e construir a nova edificação. Sua última obra como construtor foi a capela Sagrada Família, hoje Matriz Sagrada Família. De acordo com laudo enviado pelo engenheiro responsável pela construção do velório municipal, cerca de 95% dos trabalhos já foram concluídos.


Bloqueador

A Câmara aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 012/2019 que trata da instalação de bloqueador de ar antes do hidrômetro no sistema de abastecimento de água. De autoria do vereador Filipe Carielo, o projeto visa oferecer aos consumidores a possibilidade de solicitar a instalação.

O projeto determina que as despesas para aquisição e instalação do bloqueador devem ser pagas pela empresa concessionária, no caso de Carmo do Rio Claro, pela Copasa. No entanto, o vereador Filipe alerta o consumidor para a possibilidade de ter que arcar com esses custos futuramente.

Não é obrigado pedir [a instalação]. Aquele que quiser pedir vai saber que, eventualmente pode ser obrigado a pagar esse bloqueador”, disse. A cobrança futura pode ocorrer caso a concessionária ganhe esse direito na justiça.

Carielo justifica que hoje não é possível colocar o bloqueador nem pagando pelo serviço. Assim, o projeto oferece a possibilidade, inicialmente gratuita, da instalação desse utensilio que impede a passagem de ar pelo hidrômetro, tendendo a diminuir os valores pagos pelo abastecimento de água.