Destaques Geral

Calor aumenta as vendas de ventilador e ar-condicionado

Por Nathália Araújo / Redação

6 de outubro de 2020

Ventiladores, climatizadores, aparelhos de ar-condicionado e umidificadores de ambientes estão entre os itens mais comercializados neste período. / Foto: Divulgação

PASSOS – Com os termômetros registrando altas temperaturas em toda a região, as pessoas têm buscado estratégias para enfrentar as ondas de calor intenso e, com isso, a procura por equipamentos de refrigeração aumentou de forma significativa. Ventiladores, climatizadores, aparelhos de ar-condicionado e umidificadores de ambientes estão entre os itens mais comercializados neste período. De acordo com Carlos César da Silva, gerente de uma loja de departamento localizada no centro de Passos, as vendas superaram as expectativas, e as mercadorias têm permanecido pouco tempo em estoque.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Consumidores optam pelos itens mais baratos
  • Engenheiro da Cemig explica como manter a eficiência dos equipamentos
  • Altas temperaturas

Realmente, a procura aumentou de forma inesperada. Neste momento, estamos sem produtos para pronta entrega. Recebemos uma carga na última quinta-feira e, na tarde do outro dia, já não havia mais nada. Fizemos mais um pedido e metade dele já foi vendida. Além disso, com a aproximação do Dia das Crianças, também percebemos que o interesse por piscinas está bem alto”, destacou.

Edilson Pereira, vendedor em uma empresa do mesmo segmento, conta que também ficou surpreso com o movimento que os aparelhos de refrigeração têm causado nas lojas.

Sem dúvida, a chegada do calor refletiu de forma positiva, porque a demanda cresceu tanto que mal conseguimos atender todos os clientes. Junto com a procura, o valor dos produtos também aumentou muito e, logo que percebi isso, já comprei um aparelho de ar condicionado. Este era um grande desejo meu e, com o quarto fresquinho, estou mais do que satisfeito”, disse.

Proprietário de um estabelecimento especializado em aparelhos de ar-condicionado, Júlio César Medeiros afirma que, devido à alta demanda, tem trabalhado além do horário habitual para dar conta dos pedidos.

Cheguei a vender para clientes que nunca pensaram em ter esse equipamento em casa e que agora não querem ficar sem. O movimento tem sido tão alto que precisei trabalhar durante todo o fim de semana. Algumas pessoas estão tão desesperadas que até me oferecem um pagamento maior para passar o serviço na frente”, revelou.

Medeiros recomenda alguns cuidados necessários para evitar possíveis defeitos nos equipamentos.

Um erro muito comum é comprar o aparelho e somente depois contratar um técnico para realizar a instalação. No entanto, o mais indicado é que o profissional seja consultado antes da compra, porque ele vai analisar e indicar os produtos ideais para cada ambiente. Além disso, muitos não costumam fazer as devidas revisões de inverno e solicitam o serviço quando chega o calor, deixando tudo para a última hora”, afirmou o empresário.

A Folha realizou um levantamento em sete lojas, e a diferença no valor cobrado pelos objetos varia entre 20% e 50%, de acordo com as marcas e modelos. Para os ventiladores, o menor preço encontrado foi de R$69,90, enquanto o maior foi de R$289,99. Os climatizadores ficam entre R$349,90 e R$799. Já os aparelhos de ar-condicionado vão de R$1.899 a R$2.999.

Consumidores optam pelos itens mais baratos

a de Aquino, empresária, já tem dois equipamentos de ar-condicionado em casa, mas, com a chegada do calor, decidiu comprar mais um para ser colocado em sua loja.

As funcionárias estavam reclamando muito e, como trabalhamos com venda de roupas, o ideal é que os clientes também se sintam à vontade para experimentar as peças. O mercado está voltando ao normal agora e não podemos abusar nos gastos, então procurei [o aparelho] em três lojas e fiz a compra onde o preço estava mais em conta, sendo que me ofereceram um pacote incluindo a mão de obra para a instalação”, contou.

Na casa de Priscila Silveira da Costa, onde vive também um sobrinho de oito meses, para evitar possíveis problemas respiratórios, ela resolveu presentear o pequeno com um umidificador de ambientes.

Nós, adultos, já sentimos muito os efeitos do calor e do ar seco. Minha irmã comentou que está usando soro fisiológico para manter o narizinho dele hidratado, mas quanto maior for o nosso cuidado, melhor é. Fiz um orçamento e comprei o aparelho em uma farmácia. Estamos gostando bastante dos resultados, porque, sem dúvida, é perceptível que a qualidade do ar muda de maneira positiva”, disse a manicure.

Para a Letícia Garcia de Assunção, estudante de Pedagogia, a refrigeração estava fazendo muita falta durante esses dias e, por isso, também resolveu comprar um equipamento.

O calor estava insuportável, todos os cômodos da casa estavam muito quentes e isso acabava prejudicando minhas atividades diárias. Há uns 10 dias, resolvi adquirir um ventilador e foi um dos melhores investimentos que já fiz. Onde vou, deixo ele ligado em algum lugar perto e, assim, a rotina se torna mais fácil”, afirmou.

Engenheiro da Cemig explica como manter a eficiência dos equipamentos

PASSOS – Thiago Douglas, engenheiro de eficiência da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), destaca que os ventiladores ou circuladores de ar (nos modelos de teto, mesa, parede ou chão) são os equipamentos que apresentam menor consumo de energia elétrica. Segundo ele, um objeto desses tipos consome, em média, o equivalente a dez lâmpadas led.

Em relação aos aparelhos de ar-condicionado, Douglas afirma que estes apresentam maior consumo de energia.

Para as residências, podemos ter os modelos do tipo janela (menos eficiente) e o mais eficiente, do tipo Split. Na aquisição de qualquer um deles, devemos dar preferência para aqueles com o “Selo Procel” na categoria A (mais eficientes), que indica o consumo provável mensal devido à sua utilização”, explicou o engenheiro.

Ainda de acordo com o profissional, para economizar energia, é necessário adotar algumas estratégias, tais como manter o ambiente fechado; instalar cortinas ou persianas para evitar a incidência de luz solar; e manter o ajuste entre 23º e 24º, que são as temperaturas de conforto. Ele também esclarece que o gasto com a conta de luz dependerá do tempo em que os equipamentos permanecerão ligados, e que este deve ser o menor possível.

Altas temperaturas

Os dias de calor intenso na região coincidiram com a chegada da primavera e isso tem levantado muitas dúvidas, uma vez que a elevação da temperatura – com essa intensidade – costuma ocorrer com a aproximação do verão. De acordo com as informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as altas nos termômetros se deram pela chegada de uma onda de ar seco que se instalou sobre todo o estado e deve começar a perder suas características no fim de semana.

As maiores temperaturas deverão ser registradas entre quarta-feira, 8, e sexta-feira, 9 – nesses dias a mínima pode ser de 22ºC, enquanto a máxima alcança os 40ºC. O céu deve continuar claro e sem a presença de nuvens, o que contribui para o baixo índice da umidade relativa do ar. Apesar disso, no sábado, 10, a massa começa a perder suas características no Brasil central, devido à chegada de nuvens carregadas e, assim, as temperaturas devem cair. Em Passos, haverá 60% de possibilidade de chuva.

Claudemir Azevedo, meteorologista do 5º distrito do Inmet, explica que, embora não seja uma condição típica da primavera, a intensificação da massa de ar seco pode acontecer durante esta época do ano.

Esse calor não é anormal para este período e, ao longo de todo o mês de outubro, as temperaturas devem continuar elevadas e com forte incidência de chuvas. Aos poucos, será ainda mais fácil de notar as características de verão, porque este resolveu dar as caras mais cedo e promete ser muito ensolarado em 2021”, informou.

A companhia Climatempo também explica que a massa de ar seco chegou há cerca de 18 dias e tem funcionado como uma espécie de barreira para a frente fria. Além disso, ao longo desta terça-feira, 6, a umidade relativa do ar deve permanecer baixa, variando entre 12% e 20%; enquanto à noite pode chegar a 35%.