Destaques Geral

Cadeirinha é tão importante quanto cinto de segurança

28 de agosto de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS – Diariamente, milhares de pessoas são vítimas de acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras. A quantidade de crianças menores de 10 anos que morrem após colisão entre veículos, capotamento ou saídas de pista também é elevada, mas poderia ser ainda mais, se não fosse a exigência do uso da cadeirinha veicular pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), o acessório reduz o número de mortes em 60%.

Para os motoristas que trafegam pelas rodovias e até por estradas de terra, a Folha traz algumas informações importantes. Por lei, o transporte de crianças no banco da frente é permitido em dispositivos de retenção. As que têm idade inferior a 10 anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo Contran. Portanto, a utilização do acessório é obrigatório, e seu descumprimento acarreta em infração de trânsito prevista no artigo 168 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Transportar crianças em veículo automotor sem observância das normas de segurança especiais estabelecidas é uma infração gravíssima, e o responsável estará sujeito a perder sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e arcar com uma multa no valor de R$ 293,47.

De acordo com a lei vigente no Brasil, as crianças com até 1 ano de idade deverão utilizar, obrigatoriamente, o dispositivo de retenção denominado bebê conforto ou conversível; superior a 1 ano e inferior ou igual a 4 anos deverão utilizar a cadeirinha; e superior a 4 anos e inferior ou igual a 7 anos e meio deverão utilizar o acessório denominado assento de elevação. No banco de trás, com cinto de segurança, apenas as que têm de 7 anos e meio a 10 anos, com, no mínimo, 1,45 m de altura.

O comandante do 2º Pelotão Rodoviário da 18ª Companhia de Polícia Militar Rodoviária, primeiro-tenente Fábio José Oliveira Maia, ressalta que o uso dos dispositivos é de suma importância para garantir a segurança das crianças menores de 10 anos, durante seu transporte em veículos.

Eles oferecem condições mínimas de segurança, de forma a reduzir o risco ao usuário em casos de colisão ou de desaceleração repentina do carro, limitando o deslocamento do corpo da criança, uma vez que a popular cadeirinha visa atender a idade e compleição física da criança”, assegurou.