Destaques Geral

Boato sobre lei seca provoca correria em supermercados

27 de março de 2021

Consumidores foram às compras para garantir a “cervejinha” para o fim de semana. / Foto: Divulgação

PASSOS – Um boato sobre adoção de lei seca em Passos gerou correria em supermercados da cidade na manhã desta sexta-feira. Com base na falsa informação divulgada no município, consumidores foram às compras para garantir a “cervejinha” para o fim de semana. Em alguns estabelecimentos comerciais as vendas chegaram a aumentar 80% devido ao boato.

De acordo com a vendedora Vânia Tozzi, o telefone do estabelecimento no qual ela trabalha não parou de tocar. “Muitos clientes pedindo informações sobre a suposta lei seca, mas, até o momento não fomos notificados sobre nada”, disse. Em um atacadista localizado próximo à rodovia MG-050, filas de veículos foram formadas na entrada.

Vim ao supermercado correndo, pois minha família costuma tomar uma cervejinha aos fins de semana, para relaxar, e não conseguiríamos comprar amanhã, caso a lei seca realmente fosse adotada na cidade”, disse Brenda Reis.

Segundo Cristiane Marinho Alves de Paula, administradora em uma cervejaria em Passos, o aumento nas vendas chegou a 80% por conta da fake news sobre a lei seca.

Nossas vendas dispararam por conta dessa história de lei seca. Depois que a prefeitura explicou que não haverá lei seca, deu uma diminuída na procura. Mas ainda estamos fazendo muitas entregas por meio de delivery”, afirmou.

Matheus Carvalho, dono de um delivery de bebidas e alimentos na cidade, afirma que o fim de semana é forte em vendas, mas que também sentiu uma movimentação maior por conta do boato. “Vou ter noção mesmo quando fechar o caixa, mas o que percebi é que começou mais cedo a movimentação. Quem comprava à tardem veio mais cedo”, disse.

Por conta dos boatos, a Prefeitura de Passos divulgou uma nota de esclarecimento. Segundo o documento, a administração informa que não haverá nenhum decreto sobre restrição de venda de bebidas alcoólicas e que lamenta os tumultos gerados em função da falsa notícia. Segundo o comunicado, a prefeitura lamenta o tumulto e o risco de contaminação devido às aglomerações causadas por conta do boato.