Destaques Dia a Dia

“Bir-corococór!!!”

POR ADELMO SOARES LEONEL

10 de outubro de 2020

O sô Clemente Soares morava prás bandas da Mutuca, município de Piumhi. Careca, alto, entrado nos anos, tocador de lavoura, comerciante, seus dois pontos fracos eram o cachimbo modelo “preto-véio” e um pagodinho animado à sanfona nos fins de semana, dentro de um paiol preparado para tal propósito. Primeirão a pular na dança, nem esperava o violeiro afinar o instrumento e lá estava ele a chacoalhar o esqueleto, levantando a perna que nem o Mazzaropi, no ritmo das modas. A patroa, tadinha, ruim das artrites, aguentava pouco e após tentar acompanhar o marido nos devorteios, se assentava logo, respirando com dificuldade e limpando o suor da testa. E êle parava? Imagine!!! Tirava tudo quanto era mulher, cachimbão firmemente preso nos dentes, baforando uma fumarada grossa, parecendo Maria-Fumaça.

Uma de suas preferidas como par era uma crioula gorda, passada dos quarenta, mas que não deixava a peteca cair, seguindo-o nos passos mais esquisitos, agarrada na cintura volumosa pelo braço direito do sô Clemente, enquanto o outro, esticado nos limites, seguia o batido da zabumba prá cima e prá baixo, abrindo espaço entre os incomodados vizinhos. Certa feita, a folclórica orquestra atacou num samba gafieirado e, num sorriso de satisfação, o nosso herói acelerou os pulos, fazendo com que uma brasinha do eterno cachimbo voasse e fosse cair exatamente no decote da crioula, se alojando bem no meio da peitaria sacolejante. Ela envergonhada, temendo desagradar o sinhô, se achegou mais perto dele e conseguiu reclamar, num sussuro na orelha:

– Tô queimando, sô Clemente.

Foi o bastante para assanhar o véio. Atarracou a coitada e assumindo a postura de garanhão do mato, deu-lhe uma piscadela cúmplice:

-Deixa sapecá! Eu tamém tô pegando fogo, sua danada!!! E animado, continuou a pagodeira…

***

Já que estamos lembrando a velha-guarda do Piumhi, tem lá um bigodudo, empoleirado nos mais de oitenta anos, magro, por nome João Sabino, proprietário de um terreninho atrás do cemitério, a meio caminho da Lagoa dos Martins. Maior contador de lorota daquelas plagas, insiste que a mentirada é o mais verdadeiro dos casos e que “aconteceu comigo, dotô”. Se a gente narra uma passagem, exagerando nos pormenores, só para encher o saco, logo vem ele com outro mais cabeludo, na intenção de impressionar e se manter no tôpo e jurando por tudo quanto é santo, querendo que caia um raio na sua cabeça branca se não é verdade. E ai de quem se atrever a uma dúvida ou mesmo a assumir ar de incredulidade! Ele vira bicho! Uma vez, o assunto era caçada e o pessoal contava as maravilhas do Mato Grosso para quem gosta do esporte: farturança de bichos, anta, veado, jacaré, macaco, pomba-rola.

-Aí, oceis mexêro cum o véio aqui, ó!

Interrompeu ele, olhos arregalados, bigodão tremendo, ansioso, apontando o próprio peito:

-Numa ocasião, arresorvi que tava no dia de cumê umas pomba-rôla, arranjei meus apetrecho e tomei rumo dos Pantâno, cum minha Filobé e um saco de ninhage na cacunda. Me arranchei nas beirada do arrozá. Nove hora da manhã, o dia clarinho, di repente … escureceu tudo qui nem se tivesse em noite di chuva. Ôiei pra riba e, Virge Maria!, uma arrevoada de pomba incubria tudo, umas acutuvelano as ôtra di tanto qui tinha. Peguei a arma e num carecia nem mirá. Era só tacá fogo. Pá! Pá! Pá! Pá! Pá! Pá! Pá! Pá! (e mais pá! Pá! Pá! Pá!).

Um interlocutor desavisado ousou perguntar:

– Uai, seu João! E o senhor não carregava a arma?

– E dava tempo? Dava não.

Fechou a cara ante umas mal disfarçadas risadinhas e continuou:

– Elas fôro só caino. Uma, duas, três, sete, nove, quinze,dezessete, vinte e sete, quarenta e sete, sessenta, noventa, noventa e uma, noventa e duas, noventa e três, e quatro, e cinco, noventa e seis, noventa e sete, noventa e oito, noventa e nove! Cumo eu num ia dá conta de levá tudo mémo, dicidi pará cum a matança.

Novamente, alguém inquiriu, divertido:

– Acho que o senhor matou foi cem, num foi?

E o João Balbino arrematou:

– Sê besta, sô! Foi noventa e nove, cum certeza. Bem qui eu podia falá qui era cem, mais eu num quero ficá cum fama de mintiroso pro mode uma merdinha de pomba- rôla!!!