Destaques Opinião

Biden x Trump

POR ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS

31 de outubro de 2020

Nunca antes na história política do Brasil, uma eleição presidencial de outro país despertou tanto interesse e torcidas como esta que acontece nos EUA. As razões estão diretamente ligadas à esdrúxula polarização política entre direita e esquerda no mundo e aqui no Brasil, onde pela primeira vez, temos um governo e um presidente que nem disfarça a vergonha de ser um representante do governo Trump no país. E faz questão de deixar isto bem claro, a ponto de se alinhar à estratégia trumpista em guerra comercial contra a China. Logo a China que é hoje quem segura as pontas das exportações brasileiras. Voltando ao imbróglio da eleição americana, chega a ser hilário se não fossem dramáticas as torcidas brasileiras pelos candidatos Donaldo Trump e Joe Biden. Explico: Primeiro porque nos Estados Unidos os dois partidos de direita que secularmente e tradicionalmente disputam as eleições e claro, decidem quem será presidente do país, ou seja, o Republicano e o Democrata.

Que são os partidos entranhados com os interesses da burguesia local donos das grandes corporações econômico/financeiras norte-americanas. Portanto, são sim dois partidos de direita, sendo que o Republicano apresenta um lado mais rústico do conservadorismo que não disfarça nem o racismo, enquanto o Democrata apresenta uma cara mais liberal/intelectualizada com defesa de algumas pautas políticas tão ao sabor das esquerdas. Mas enganam-se quem pensar que o partido Democrata seja de esquerda. Porque uma vez no poder, tanto o partido Democrata quanto o Republicano defendem com unhas e dentes os interesses norte-americanos e a ideologia imperialista dos EUA por todos os cantos do mundo.

E você dirá, mas não está certo, não é para isto que servem os governos? Depende, até certo ponto sim, convenhamos que é o que governo Bolsonaro deveria fazer para manter a dignidade do país perante o mundo e faz o contrário. Por outro lado, historicamente o que vemos são os interesses norte-americanos geralmente conflitando com os interesses de outras nações e quando isto acontece e gera entrave, aí a solução, não importa se Democrata ou Republicano, saem na porrada com a mesma violência. Pois que, sempre recorrem ao emprego da força da maior potência militar do mundo para resolver tais questões. Dois exemplos elucidativos: 1) o governo democrata de Kennedy/Johnson foi quem jogou os EUA na aventura do Vietnã, uma guerra que ceifou a vida de mais de 58 mil jovens norte-americanos e 1,1 milhões de vietnamitas, com argumento de livrar o pequeno e paupérrimo país asiático do comunismo. 2) Os governos republicanos de Bush pai e Bush filho fizeram duas guerras aterradoras contra o Iraque, arrasaram com aquele país muçulmano, por causa do petróleo. Dois exemplos a revelar que Republicano e Democrata são as duas faces de uma mesma moeda.

Enfim, a eleição norte-americana está despertando mais interesse no Brasil do que as nossas eleições municipais. São as idiossincrasias brasileiras, deste povo tão dado em agir fora dos padrões minimamente cognitivos. Sobre Donald Trump e Joe Biden, o primeiro é mais conhecido por aqui. E conhecido como um político prepotente, misógino e xenófobo, a crer na imprensa de lá é sonegador de impostos, empresário trapaceiro ou caloteiro, pois que deve pessoalmente um bilhão de dólares, daí a sua necessidade em se reeleger, em caso contrário não tem como pagar para escapar da falência. E o Biden? Este apesar de ter sido vice do Barack Obama é completamente desconhecido no Brasil. É um democrata moderado de longa carreira de senador a vice-presidente e tem contra si supostas irregularidades de Biden e seu filho Hunter, em negócios na Ucrânia. Enfim, a eleição norte-americana é um problema que só diz respeito aos norte-americanos. Para o mundo e de resto para o Brasil, nada muda seja qual for o resultado da eleição.

Continuaremos capachos dos EUA. O governo Bolsonaro prova isto, pois sua descarada subserviência ao Trump até agora só conseguiu ver aumentar a taxa de importação de produtos brasileiros no mercado dos EUA como no caso do aço, ainda ver o ‘amigo’ optar por apoio para Argentina na indicação à OCDE em detrimento do Brasil! Mesmo assim ficou explícito o apoio do Bolsonaro ao Trump nesta eleição, o que já serviu para despertar futura retaliação do Biden, caso venha ser o eleito.

ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS é Professor de História