Destaques Geral

Balsas estão sucateadas, diz prefeito de Guapé

Por Ézio Santos / Especial

11 de agosto de 2020

Foto: Divulgação

GUAPÉ – A polêmica envolvendo as condições das balsas utilizadas nos municípios banhados pelo Lago de Furnas parece não ter previsão para acabar. Na microrregião de Passos, conforme dados oficiais da empresa Eletrobras Furnas, são 15 embarcações, incluindo uma na Represa de Mascarenhas de Moraes (Peixoto), para transporte de veículos, pedestres e cargas.

O prefeito de Guapé, Nelson Alves Lara (PCdoB), se diz bastante revoltado com a direção de Furnas em razão da falta de manutenção e por as atuais balsas não serem substituídas por outras novas.

É vergonhoso o vem ocorrendo há muitos anos. São ferros-velhos, porcarias navegando por cima d’água. Essa é a pura verdade. A empresa está esperando acontecer uma tragédia para tomar as devidas e reais providências. São centenas de pessoas e veículos sendo colocados em risco iminente de naufragar por causa das sucatas que, no máximo, oferecem a mínima segurança”, disparou.

Lara destaca que os serviços de manutenção das embarcações são terceirizados, mas a empresa contratada, segundo ele, deixa muito a desejar.

É zero. Não tem a menor preocupação em solucionar os constantes problemas mecânicos, bem como conserto ou reparos em geral. Parece que trabalham o dia que bem entendem. Certa vez esqueceram de trazer um parafuso e uma das embarcações ficou dois dias sem trafegar por isso. Furnas relaxou com tudo, virou totalmente as costas para todas as cidades que usam balsas. Somos nós, os prefeitos, que somos taxados de irresponsáveis, sendo que todos os deveres que cabem aos municípios são cumpridos à risca”, afirmou.

Ele conta que tem tido apoio dos políticos que moram ou atuam na região, bem como das associações do Lago de Furnas (Alago) e dos Municípios do Médio Rio Grande (Ameg), mas até hoje pouca coisa mudou.

Eu e os demais prefeitos queremos embarcações novas e seguras em termos de funcionamento. Essas carniças que estão navegando dia e noite desde a inauguração da Usina Hidrelétrica de Furnas não têm mais condições de serem usadas. Em nome de todos meus colegas políticos pedimos socorro às autoridades competentes. Que eles cobrem com veemência de Furnas providências urgentes, porque as balsas sempre apresentam defeitos e estão prejudicando, inclusive, os turistas. Eu já entrei com uma ação judicial no Ministério Público Federal sobre o assunto”, ressaltou.

Sobre a instalação da Delegacia Fluvial da Marinha do Brasil (DelFurnas) em São José da Barra, o prefeito guapeense disse é muito importante para toda a região, mas diante da situação, todas as atuais balsas deveriam ser recolhidas e substituídas por novas.

Apesar do trabalho fantástico dos marinheiros militares em termos de fiscalizações regulares nas embarcações, acredito que seria o melhor a fazer”, finalizou Lara.

Além dos portos da Guapé/Barra, Cristais, Araúna/Capitólio (intermunicipais) e Barreirinho (municipal), na Represa de Furnas, há balsas navegando em Cristais, Capitólio, Carmo do Rio Claro, Campo do Meio, Campo Belo, Nepomuceno, Coqueiral, Três Pontas, Elói Mendes, Paraguaçu, Cássia, Alfenas, Areado, Alterosa, Fama, Córrego do Ouro, Campos Gerais e São José da Barra. No lago de Mascarenhas de Moraes, apenas em Delfinópolis. Todas necessitam de pilotos, responsáveis pelas máquinas e auxiliares devidamente capacitados pela Marinha do Brasil.

DelFurnas

O 1° tenente Zozias, encarregado da Divisão de Segurança do Tráfego Aquaviário, afirma que todos estão empenhados em oferecer mais segurança aos usuários das balsas no chamado ‘Mar de Minas’.

Nós estamos trabalhando para que os responsáveis obedeçam às Normas da Autoridade Marítima (Nomam), exigindo os equipamentos de salvatagem usados pelos passageiros e verificando as condições gerais de segurança e documentação da embarcação, dentre os quais, o Certificado de Segurança da Navegação (CSN).  A Marinha do Brasil, por intermédio da DelFurnas, realiza fiscalizações nas balsas visando garantir a salvaguarda da vida humana, a segurança da navegação e a prevenção da poluição hídrica, ou seja, vazamento de combustível”, pontuou.

De acordo com o tenente, as 14 balsas que estão operando nos municípios lindeiros à Represa de Furnas passam por fiscalizações periódicas executadas pelos inspetores da DelFurnas. Ele também afirma que as balsas estão com os CSNs em dia, o que garante que estão dentro dos padrões aceitáveis de segurança.

Sobre a declaração do prefeito de Guapé, Zozias frisou que “seria necessária uma reunião entre prefeitos, Furnas e Marinha para que se busquem medidas exequíveis no tocante à melhoria dos serviços prestados à população”.