Agronegócio Destaques Economia

Aumento no preço do leite é por conta de entressafra, diz Aproleite

6 de abril de 2020

PASSOS – Na última semana, alguns supermercados da cidade justificaram as altas nos preços do Leite UHT apontando como culpados os produtores de leite e os laticínios. Uma rede de supermercados chegou a anexar, nas gôndolas, um aviso explicando que, devido a um grande aumento, de 27,7%, no preço de custo do produto, praticado pelo seu produtor e pelo seu fabricante, teria feito com que o valor subisse, chegando a R$ 3,29 para o consumidor final.

Humberto Orlandi, presidente da Aproleite – composta por 57 produtores das cidades de Passos, São João Batista do Glória, Cássia, Alpinópolis, Piumhi e Pimenta e que, produzem juntos 180 mil litros de leite por dia – , esclareceu que é normal que haja um aumento nesse período do ano no preço do produto. Porém o preço que tem sido cobrado nas gôndolas dos supermercados não condiz com os números reais de produção como tem sido informado pelas redes varejistas e atacadistas de Passos.

“É normal que o preço suba nessa época do ano devido à entressafra e à diminuição da captação do leite, porém, a porcentagem citada pelo mercado não é verdadeira. Nos cartazes fixados em frente as prateleiras dos produtos, onde lemos “Compromisso e transparência” os aumentos tem variado cerca de 27% a 30% na caixinha de leite UHT o que, na verdade, não aconteceu”, disse Orlandi.

O presidente da Aproleite citou o último Informativo Semanal do Indicador Diário de Leite UHT, divulgado no final do mês de março pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, (Cepea). “O último informativo mostra que o aumento médio no preço do leite negociado entre Indústrias e supermercados foi de 18,13%. E isso foi no início do mês de março, ou seja, na 10° semana do Indicador. Então, no começo do mês de março o preço do produto era de R$ 2,4609. Já no fim do mesmo mês, o preço estava em R$ 2,9071”, explicou.

Ainda segundo o presidente da Aproleite, no mesmo período em que a pesquisa foi realizada, o Centro de Estudos informou um aumento de 1,4% em comparação ao mês de fevereiro de 2020. “Ou seja, passou de R$ 1,4175 em fevereiro para R$ 1,4376 em março. Com esses dados, A gente percebe, que o aumento do Leite UHT nas prateleiras não se deve ao produtor e, possivelmente, não se explica totalmente ao aumento dos laticínios”, esclareceu.

Inconformado com a situação, Orlandi disse que a Indústria varejista não tem sido honesta com o consumidor final. “Gostaríamos que esse grupo fizesse o que prega em seus cartazes. Não é certo confundir o já tão sofrido mercado consumidor. O certo seria que as redes de supermercados agissem com compromisso, transparência e ética e assumissem a parte deles nesse aumento de preços, não somente do leite, mas também de toda gama de produtos ofertados em suas prateleiras”, desabafou o presidente.

Orlandi disse que, infelizmente, não tem condições de apontar de forma clara quem estaria “ganhando” nessa situação. “Mas posso afirmar que não é o consumidor e muito menos nós, produtores”, desabafou. Segundo ele, as reclamações não chegam diretamente ao grupo. “Até por conta de sermos uma entidade de classe. Então temos mais contato com o próprio produtor de leite. Porém, temos visto, principalmente nas redes sociais, o quanto a população está insatisfeita pela falta de explicação na alta dos preços”, falou.

O dirigente finalizou lembrando que em 2018 aconteceu a mesma coisa. “Nagreve dos Caminhoneiros, em 2018, a situação foi muito parecida. Não me recordo deste tipo de cartazes. Mas a reação dos preços seguiu esta mesma tendência. O varejo, normalmente, é o termômetro do mercado. Sabemos que o aumento da procura por determinado item, faz com que ele suba de preço, é a lei da oferta e procura. Vide máscaras ou álcool em gel. Contudo, não tem como ligar o aumento do varejo diretamente à indústria e, muito menos, aos produtores dessa matéria prima, nosso caso, o leite”, explicou o presidente.