Destaques Geral

Associados destituem Leonardo e indicam interventores na Casmil

Por Ézio Santos/ Especial

3 de novembro de 2021

Marcelo Reis e Gilberto Cardoso assumiram a Casmil desde a assembleia do último domingo./ Foto: Divulgação.

PASSOS – Desde o último domingo, 31 de outubro, a Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) está sob nova direção. É o que decidiram as mais de 30 pessoas que compareceram à Assembleia Geral Extraordinária, com a destituição do atual Conselho de Administração e a designação de dois interventores que vão administrar a empresa, por no máximo por 30 dias, até que se convoque uma nova assembleia para a eleição da nova diretoria executiva.

A assembleia indicou os cooperados Marcelo Reis Cardoso e Gilberto Cardoso da Silveira os conselheiros administrativos provisórios, ou seja, os administradores interventores da Casmil, e convocarão uma eleição antes do dia 28 de novembro. De acordo com o coordenador do Conselho Fiscal eleito, Renato de Oliveira Medeiros, todos os cinco itens da ordem do dia que constavam no edital de convocação da assembleia do dia 31 de outubro foram aprovadas por unanimidade.

Os 2.170 cooperados registrados na cooperativa terão direito a voto na eleição da nova diretoria executiva; haverá a contração da Auditoria Externa para levantamento dos dados da gestão anterior. Foi aprovada também a redução provisória dos salários do presidente e vice-presidente, de 20 salários-mínimos para seis, e para quatro, respectivamente.

Outros itens aprovados: data de convocação da assembleia geral para a eleição do novo Conselho de Administração; além da destituição do presidente Leonardo do Reis Medeiros, o vice, Clayton Carvalho da Silveira, mais os cinco conselheiros que integravam a chapa eleita em 2020, tornando-os inelegíveis para qualquer função administrativa pelos dois próximos mandatos subsequentes.

A assembleia de domingo só foi possível porque o desembargador José Américo Martins da Costa, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, concedeu medida liminar em mandado de segurança, sexta-feira, dia 29, e manteve os efeitos da assembleia geral realizada no último dia 26 de setembro, quando foram eleitos os integrantes para o Conselho Fiscal (CF) da Casmil.

O mandado de segurança foi impetrado pela advogada dos produtores Renato de Oliveira Medeiros, Ronaldo Alves da Silveira e Eduardo Cardoso Freire, Gabriela Amorim Pinheiro. A chapa derrotada dia 26 de setembro tentou por duas vezes na justiça cancelar a AGE, mas não obteve êxito.

Conselheiro pede apoio aos cerca de 2 mil cooperados

A Casmil enfrenta a segunda crise grave no início deste século. Em 2007 uma operação do Ministério Público e Polícia Federal, denominada “Ouro Branco”, foi descoberto um esquema de adição de soda cáustica no leite que era comercializado pela Casmil. Na época, a diretoria foi destituída e Leonardo Medeiros, que até então ocupava a presidência do Sindicato Rural, foi nomeado pelo MP como interventor.

E do cargo ele não mais saiu. Primeiro ele perdeu o apoio de parcela dos ruralistas, sendo derrotado por Darlan Esper Kallas na eleição do Sindicato rural de Passos. Nos últimos dois anos a crise financeira da Casmil se agravou, sendo que a empresa inicialmente arrendou para terceiros a loja de produtos veterinários, depois o posto de gasolina e, por fim, deixou de coletar leite dos associados, ficando apenas com uma loja fora de Passos, e a fábrica de ração da MG 050 – que também teria sido terceirizada.

Em outubro do ano passado, a 3ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Passos iniciou a operação ‘Consilium Fraudis’ que culminou em apreensões de computadores, aparelhos celulares e diversos documentos da Cooperativa. O principal objetivo da operação era investigar supostos crimes societários, relativos a apropriação indébita, estelionato e associação criminosa.

Segundo as autoridades policiais, havia indícios veementes de que os atuais gestores fraudaram a emissão de documentos e títulos de créditos em detrimento do patrimônio de um fundo investidor na cidade de São Paulo, capital, no valor aproximado de R$ 500 mil. O inquérito ainda está em andamento, aguardando a quebra de sigilo solicitado pela Polícia.

Apoio

Para o coordenador do atual Conselho Fiscal, Renato de Oliveira Medeiros vai demandar um pouco de tempo para a reestruturação da cooperativa.

“Mas com o apoio do grupo de cooperados que se uniu em prol da recuperação dela, com muita dedicação, luta, garra, amor a uma das mais tradicionais empresas de Passos e região, vamos reerguê-la sim! Sabemos que não é de um ano para outro que as coisas vão melhorar, mas se ao menos um quarto dos mais de dois mil fornecedores de leite e ruralistas em geral voltar a dar preferência para a Casmil, não tenho dúvidas de que ela vai renascer forte. Também vamos correr atrás de parceiros, porque a partir de agora, a união será muito bem-vinda para ambos os lados”, enfatizou Renato.

Hoje, a sede da empresa está localizada na rodovia MG-050, 1.100, bairro Nossa Senhora das Graças, em Passos.