Destaques Política

Associação Espírita Cáritas reforça prevenção a suicídio com Setembro Amarelo

Adriana Dias / Redação

24 de setembro de 2021

Foto: Reprodução.

PASSOS – No mês em que o Brasil realiza o Setembro Amarelo, uma campanha de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015, a Associação Espírita Cáritas reforça o trabalho que realiza, há anos, de valorização da vida. O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Os interessados no atendimento podem ligar para 35-99829-0832 e fazer o agendamento.

De acordo com Evandro Bogo, este é um assunto abraçado pela Doutrina Espírita em todo o mundo já há muito tempo.

“É um assunto permanente dentro da Doutrina, onde a prevenção é essencial. Dentro do Espiritismo praticamente todos os grandes estudiosos e médiuns se dedicam a isso. Chico Xavier tinha uma ação frequente, Divaldo Pereira Franco tem, o André Trigueiro trabalha muito esta questão. Todas as editoras fazem cartilhas e literatura que envolvem esta prevenção”, disse.

Com o Setembro Amarelo, há uma frequência maior das mídias e da divulgação para salientar as ações.

“No Cáritas, temos o atendimento fraterno com plantões e vamos colocar em prática neste mês também de forma online. Para a Ciência Espirita que estuda as questões da morte física, é fácil perceber que quando se pensa em uma saída desta natureza, já se encontra em andamento um processo de desequilíbrio mental e emocional que precisa de atenção e cuidados. O Espiritismo nos oferece possibilidades Terapêuticas com abordagens espirituais”, informou o dirigente.

Ainda conforme os responsáveis pelos atendimentos fraternos, mais que importantes, estas questões são fundamentais.

“Também por conta do agravamento que existiu e existe pela pandemia, gerando medo e insegurança em algumas pessoas. Muitas foram as famílias atingidas pelos efeitos que a pandemia provocou, inclusive as questões econômicas. Em decorrência desses efeitos todos fomos constrangidos a trabalhar nossas questões internas, como a emoção, coração, mente e toda uma eclosão de questões que surgiram com a pandemia. O que acabou evidenciando esta incapacidade do ser humano de trabalhar essas questões internas. Hoje, grande parte das pessoas recorre a remédios para o tratamento dos sintomas, muitas vezes não buscando as causas profundas. O Espiritismo, enquanto Ciência, apresenta conceitos, técnicas, práticas e atendimentos que contempla o Espírito e suas relações de forma científica”, disse Bogo.

Ainda sobre o suicídio, ressaltou que a pessoa que o comete, pensando estar se livrando da sua realidade, vai se aprofundar ainda mais nela, pois a vida não termina com o fim do corpo (matéria).

“É como se você entrasse na realidade com muito mais ênfase, só que sem o corpo. O espírito vai se reconhecer vivo com os mesmos problemas e agora com outro ainda maior, que é a desistência da vida física. Este conhecimento que o Espiritismo nos traz, evidenciando a total inutilidade do suicídio e suas consequências para o Espírito, se configura como fundamental na Prevenção!”, finalizou.