Cultura Destaques

Artistas organizam vigília na prefeitura

12 de dezembro de 2020

Foto: Divulgação

PASSOS – Artistas passenses começaram ontem, 11, uma vigília na porta da prefeitura municipal para garantir que não aconteçam tumultos no terceiro dia de abertura dos envelopes com as propostas para os prêmios da Lei Aldir Blanc. Na última quinta-feira, 10, durante a abertura dos envelopes ocorreu um tumulto que levou a Comissão de Julgamento a acionar a polícia militar para manter a ordem no local.


Você também pode gostar de:

Segundo Maurílio Romão, do grupo de teatro Trupe Ventania, de Passos, os artistas se organizaram em dois grupos: um que ficaria do lado de fora da prefeitura, responsável pela vigília, e outro do lado de dentro, responsável pela fiscalização da abertura dos envelopes. Como fiscais ficaram: Isabella Cristina Ribeiro Vieira, da Associação de Desenvolvimento Cultural Regional (Adesc), Maurílio Romão e Diego di Simone, da Trupe Ventania.

De acordo com Felipe Terra, produtor cultural e membro do grupo Pequenos Cantores de Passos, os artistas fizeram toda a organização através de uma reunião virtual, na quinta-feira, no grupo de WhatsApp do Movimento dos Artistas de Passos (Mapa).

Nós tivemos notícia de que, quinta-feira, a Comissão de Julgamento teve um dia muito difícil para a seleção da documentação em prol da lei Aldir Blanc. Quero frisar que algumas pessoas, assim como eu, Maurílio, Renato Flor, Pietro Garibaldi tem se desdobrado para fazer que a prefeitura realmente cumprisse com o papel dela, acionando a imprensa para que houvesse, de certa forma, uma garantia e transparência para que essa lei chegasse, de fato, ao município e ela chegou. Quinta-feira, em reunião virtual através do grupo no WhatsApp do Mapa, nós pontuamos que iríamos continuar colaborando com a comissão que estava avaliando essa documentação, o Maurílio, o Diego e a Isabella estão acompanhando lá dentro da sala de licitação todo o processo para garantir que a comissão está sendo de fato coerente com as suas decisões. Ainda de acordo com Terra, os outros artistas do Mapa montaram guarda na porta da prefeitura e estão se revezando para evitar tentativas de tumultos por parte de outros artistas.

“A gente tem tentado exercer esse diálogo de que o processo tem sido transparente, pelo menos ao ponto de vista do que aquilo que desclassifica um tem sido o que desclassifica outro. Os parâmetros têm demonstrado que têm sido os mesmos tanto para A quanto para B. E nós tivemos que ficar lá na porta da licitação conversando com esses artistas que às vezes apareciam para o diálogo, outras para tumultuar”, explica o artista.


O primeiro dia da vigília

O primeiro dia da vigília, na porta da prefeitura, aconteceu na manhã de ontem, onde os artistas do Mapa ficaram das 10h às 12h de prontidão enquanto a Comissão Julgadora fazia a abertura dos envelopes. Segundo Terra, tudo ocorreu bem nesse primeiro dia de vigília e a única lamentação é de que a comissão não tenha trabalhado até as 17h.

Foi uma pena, de fato, hoje a comissão não ter trabalhado das 8h às 17h da tarde, assim como foi até publicado na matéria do dia de hoje que seria os trabalhos dessa forma”, lamenta.

Para Carlos Jorge Ribeiro, o Caju, secretário municipal de cultura, de Passos, esse apoio do Mapa está contribuindo bastante para o processo de avaliação da comissão.

Nós recebemos um ofício de apoio do Mapa, que é o Movimento dos Artistas de Passos, justamente para poder estar parceiro da comissão e evitar esse tipo de tumulto. Nós sabemos que a classe artística foi a mais impactada com toda essa pandemia. Por isso, nós estamos fazendo um trabalho mais rápido do que o de costume, com mais amor e mais carinho, porque a gente sabe dessa demanda da classe artística. O estresse sempre tem, então esse apoio que o Mapa está dando a comissão e a prefeitura está sendo de muito boa valia. Hoje mesmo nós conseguimos adiantar bastante os nossos trabalhos”, disse.