Destaques Geral

Arteiras investem em bonecos gigantes

15 de fevereiro de 2021

A produção da primeira peça foi de uma boneca de 1,30 metro para decorar a associação. / Foto: Divulgação

DELFINÓPOLIS – Desde 2009, um grupo de mulheres de Delfinópolis criou uma associação para trabalhar com fibras de bananeiras, produto que tem de sobra na cidade, que é uma das maiores produtoras do fruto no Brasil. Em 2018, elas decidiram fazer bonecos gigantes, que surgiu a partir de uma brincadeira. Elas fizeram uma peça para decorar a associação, mas a ideia já ganhou o país.


Você também pode gostar de: ‘Santuário de Santa Rita é um presente para Cássia e região’ 

De acordo com as três dirigentes da Associação Arteiras da Canastra, a presidente Silvia Barçanuta Cabral, a vice-presidente Carina Fátima de Souza Melo, e a vice-tesoureira Nailse Geralda Oliveira Fonseca, a produção da primeira peça foi de uma boneca de 1,30 metro para decorar a associação. Além da diretoria fazem parte da associação as arteiras Aline Santos Costa, Nilva Elaine Garcia, Janaína Naves, Regina Freitas, Andressa Lopes, Alcione dos Reis, Rosana Lopes, Paula Rosa, Patrícia Teixeira, Luciene Oliveira e Heloisa Castro.

Fizemos com a intenção de que ela ficasse na loja, há cerca de um ano. As artesãs brincaram que ficou parecido com a imagem de São Francisco. Postamos no Facebook e, na hora, apareceu um comprador de São Paulo. E logo apareceram vários clientes querendo comprar. Já fizemos seis imagens que remetem a São Francisco, que variam no tamanho entre 1 metro e 1,80 m de altura”, contou Carina.

A notícia dos bonecos grandes vem se espalhando. As arteiras receberam encomendas para produção de uma Sagrada Família, composta por bonecos de 1,60 metro e também Santa Rita de Cássia.

Agora fizemos um casal de bananeiros, a Catarina e o Antonio para um bar que será inaugurado em Delfinópolis que tem o nome de Bananas. A mulher tem 1,60 m e o homem 1,80 m de altura. O peso varia entre 5 e 7 quilos cada peça”, assegurou a artesã.

Questionada sobre a durabilidade da peça, a artesã explicou que vai depender de quem a possuir.

Tiramos as fibras que são todas tratadas para não dar caruncho, e depois de prontas ainda passamos outro produto para facilitar a limpeza. O cliente pode apenas borrifar água de vez em quando. De uma bananeira nós retiramos cinco tipos de fibras. Cada fibra é destinada a uma atividade”, ensinou.

Para produzir cada boneco as artesãs levem de 3 a 4 dias para o produto ficar pronto. Com relação ao valor, a vice-presidente contou que vai depender do tamanho e do grau de dificuldade da proposta. “Pode variar de R$160 a R$300”, disse a artesão que assim como as outras apreenderam as técnicas em cinco cursos que fizeram gratuitamente no Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Minas), que tem escritório regional em Passos, e com o Sebrae, o qual ofereceu treinamento de design e está ajudando na criação da identidade do artesanato local.

Foto: Divulgação