Destaques Esporte

Árbitro é agredido por jogador do Caram durante torneio amador

Ézio Santos

20 de junho de 2022

ALEMÃO TERÁ DE FICAR 21 DIAS COM O BRAÇO DIREITO IMOBILIZADO E, POR ISSO, NÃO PODERÁ TRABALHAR COMO AUTÔNOMO NA ÁREA DE VENDAS DE MEDICAMENTOS./ Foto: Divulgação.

PASSOSUm ato de deslealdade como se estivesse numa batalha campal, golpes certeiros sem poder de reação da vítima, e jogadores uniformizados como o agressor sem demonstrar ação para impedir que um árbitro fosse covardemente agredido fisicamente e ser atendido por mais de seis horas em um hospital. Felizmente, não aconteceu uma tragédia dentro do gramado de um estádio, onde o principal objetivo era simplesmente disputar qual time venceria o confronto, mas através do ápice do futebol que é marcar o gol; sem usar a violência descabida de um ser humano, semelhante a um ferocíssimo lobo, contra um cordeiro indefeso..

O fato ocorreu na manhã deste domingo, dia 19, no estádio Abraão Caram, alto do bairro Penha, quando o time local enfrentava o Industrial de Itaú de Minas pela primeira rodada da Copa Area de futebol amador adulto. Passavam dos 40 minutos da etapa inicial, quando Luiz Henrique Filho, do Caram EC, foi advertido pela segunda vez com o cartão amarelo, e imediatamente lhe foi mostrado o da cor vermelha.

Eu já havia aplicado o primeiro amarelo por uma falta dura no adversário, mas parece que o rapaz estava transtornado ou revoltado, sei lá. Me xingou de tudo quanto é nome feio, você é grande e forte, mas é uma m…a. Vai tomar no c.. Não sei se agi correto, e preferi usar o bom senso para não expulsá-lo de campo”, afirmou José Vasconcelos Botrel, o Alemão, de 47 anos, ex-jogador de futsal, futebol, basquete, vôlei, mede 1,96 metros de altura, pesa mais de 100 quilos, e há 22 atuando como árbitro amador.

Durante a entrevista para esta Folha, a vítima contou também que ao levantar a mão direita com o cartão amarelo e em seguida o vermelho a Luiz Henrique, por ter cometido a segunda falta violenta, no ‘bolo’ de muitas pessoas envolvidas no jogo, o atleta partiu correndo em sua direção, e Alemão tentou se defender com a perna esquerda, mas o agressor desferiu lhe socos levando-o ao chão.

“Ao cair, apoiei todo o meu corpo com o braço direito, por isso que ofendeu os dedos e o ombro. Ainda levei mais pancadas e depois me ajudaram a levantar. Daí em diante veio aquela dor fortíssima como se tivesse arrancado tudo de mim. Caminhei para o vestiário amparado por alguns jogadores do Caram e meus assistentes”, explicou.

A partida foi suspensa, os atletas se dispersaram em campo.. Tinham se passado alguns minutos quando três viaturas da Polícia Militar chegaram ao estádio, e um dos soldados registrou o Boletim de Ocorrência constando que “o autor não foi localizado no local, sendo confeccionado o registro detalhado dos fatos, bem como a vítima foi orientada quanto ao prazo legal de seis meses, caso tenha interesse na persecução criminal, representando contra o autor responsável pelas agressões”.

Em seguida, uma equipe do Corpo de Bombeiros prestou os primeiros atendimentos ao árbitro, e imediatamente o levou para a UPA. De acordo com o ortopedista de plantão na Unidade de Pronto Atendimento, Laércio Alves Garcia Júnior, a vítima teve um grave  deslocamento traseiro do braço direito do tronco corporal, razão pela qual teve que ser transferido para a Santa Casa onde foi anestesiado e realizado o procedimento de recolocar o membro lateral no seu devido lugar.

“Os dedos do doutor Alércio conseguiu normalizá-lo na UPA mesmo. Eu cheguei em casa já passava das 19h. Foram horas de muita tensão e dores por causa da estupidez de um jogador maldoso, covarde que deve ser banido do futebol”, disparou Alemão.

Durante todo o dia de ontem, a reportagem tentou por várias vezes através de chamadas telefônicas, conversar com Luiz Henrique sobre o motivo da agressão, mas sem sucesso. Com o pai dele, Mauro Raimundo, foi mantido contato, mas disse que não sabia onde o filho estava.

O presidente do clube do Alto da Penha, Jefferson Rodrigues Faria, através de uma mensagem de texto no grupo do Cinquentão Caram, escreveu: “Eu renuncio ao resto do meu mandato extraordinário. Agradeço a todos que colaboraram comigo, principalmente quem me ajudou no pagamento das dívidas, e na transformação de uma instituição endividada exposta a leilão, numa instituição sólida. Momento certo. Missão cumprida. O Caram em primeiro lugar. Agradeço a todos”.

Jefferson também não foi localizado pela reportagem para saber os motivos da renúncia e se desejava falar sobre o caso Luiz Henrique.

Repúdio

No final da tarde de domingo, a Associação Regional de Esportes Amador de Passos e Região (Area), Liga Sul Mineira e Lelis Eventos, organizadores e promotores do 1º Campeonato Regional de futebol amador, divulgou nota “repudiando de todas as formas e maneiras a  atitude do jogador que agrediu o árbitro Alemão, na estreia das equipes do Caram e do Industrial de Itaú de Minas, dia 19, no estádio Abrão Caram em Passos. Precisamos lembrar que o esporte é um instrumento de inclusão e interação social, onde o respeito, a tolerância e a educação são seus pilares. Nada justifica um ato de agressão! Só quem atua na arbitragem sabe dos desafios encontrados em cada partida de futebol. São ofensas e ameaças de todos os tipos, e neste  domingo além das ofensas e ameaças proferidas, ocorreu a agressão física. As medidas necessárias serão tomadas para que fatos assim não possam mais ocorrer não só em Passos em todo e qualquer lugar do mundo”.