Destaques Esporte

Após polêmica, Flamengo diz que elenco se sente seguro

22 de Maio de 2020

Foto: Divulgação

RIO DE JANEIRO – Depois de muita polêmica com a volta dos treinamentos em campo e o descumprimento das orientações dos órgãos de saúde, o Flamengo emitiu uma nota ontem para dar explicações. Segundo o clube, estão sendo seguidos protocolos de segurança e os funcionários estão se sentindo confortáveis para o retorno.

Os atletas e os integrantes envolvidos no dia a dia do Ninho do Urubu informam que se sentem seguros e aptos a retomar os treinamentos em razão do protocolo de segurança e prevenção adotado pelo Departamento Médico do Flamengo”, diz parte do comunicado.

O Rubro-Negro é um dos poucos clubes que já se declarou veementemente à favor dos treinamentos presenciais, como das partidas oficias, em meio a pandemia do novo coronavírus. O presidente Rodolfo Landim chegou a se reunir com Jair Bolsonaro para discutir o retorno do futebol e nada agradou os torcedores, que picharam os muros da Gávea na madrugada desta quinta-feira com palavras de ordem.

O nome do massagista Jorginho, vítima da covid-19, foi lembrado. O profissional era o funcionário mais antigo do futebol flamenguista, tendo 40 anos de de clube.

O protocolo foi colocado em prática seguindo as mais rigorosas determinações de segurança internacional. Colaboradores, atletas e integrantes da comissão técnica realizaram testes com resultado negativo para a Covid-19, além de serem examinados diariamente pelo Departamento Médico”, escreveu o departamento de futebol.

Confira na íntegra a nota emitida pelo Flamengo

Diretoria, comissão técnica e atletas profissionais do Clube de Regatas do Flamengo vêm a público se manifestar a respeito do retorno das atividades do futebol profissional no Centro de Treinamento George Helal. Os atletas e os integrantes envolvidos no dia a dia do Ninho do Urubu informam que se sentem seguros e aptos a retomar os treinamentos em razão do protocolo de segurança e prevenção adotado pelo Departamento Médico do Flamengo” foi dito.