Destaques Geral

Aplicativo da Cemig sobre barragens ganha adesão de mineradoras

17 de julho de 2021

Ferramenta, que já reúne informações dos 42 reservatórios da companhia em Minas Gerais, vai ser aprimorado e terá também informações de mineradoras e outros setores. / Foto: Divulgação (Agência Brasil)

BELO HORIZONTE – Cada vez mais focada em aplicar a tecnologia em benefício da população de Minas Gerais, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) desenvolveu, em 2019, o aplicativo “Proximidade”, ferramenta para estreitar o relacionamento com a comunidade com informações acerca da variação dos níveis e vazões dos rios e reservatórios das Usinas Hidrelétricas (UHE) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) da área de concessão da companhia.

Agora, a empresa anuncia uma parceria que vai expandir e melhorar ainda mais as aplicabilidades da ferramenta, que a partir de agora passa a se chamar Prox. A proposta de expansão veio do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) que, após conhecer o aplicativo, apresentou a sugestão de integrar e utilizar o sistema com as empresas de mineração, visando melhorias principalmente nos procedimentos de comunicação de risco. A nova proposta de aplicativo conta também com a parceria do Mining Hub.

Para Ivan Sérgio Carneiro, gerente de planejamento Energético da Cemig, o compartilhamento da ferramenta com outros setores produtivos será de grande importância para o aprimoramento do uso das informações de segurança e prevenção de ocorrências envolvendo cheias e barragens.

O aplicativo, agora renomeado Prox, que já é um importante canal de informação, principalmente, para as populações do entorno das usinas, que são influenciadas diretamente pela operação dos reservatórios, vai ganhar uma expansão, que o tornará ainda mais essencial para os órgãos de segurança e sociedade em geral, se tornando uma ferramenta primordial para a gestão de risco” afirma Ivan Carneiro.

Com a mudança, continua o gerente, “agora outros públicos, ligados ao setor de mineração, poderão também usufruir das informações compartilhadas entre os setores e disponibilizadas no app”, completa.

Para o diretor-presidente do Ibram, Flávio Penido, a adesão do Instituto e das mineradoras associadas a este projeto é um reforço importante a esta iniciativa, que passa a ser colaborativa e conjunta em prol da sociedade. Ele afirma que é uma questão de responsabilidade social do setor mineral oferecer às pessoas instrumentos ágeis e eficazes que possam estabelecer junto as pessoas uma sensação de segurança.

“Com as informações de várias organizações, como as mineradoras, é possível a entidades como Bombeiros e Defesa Civil, terem um mapeamento mais aprofundado e abrangente das áreas de risco; um levantamento de informações mais confiável e rápido, além de mais um canal para a emissão de sinais de alerta”, diz o dirigente.