Destaques Geral

ANA diminui vazão de Furnas e Peixoto em 100 m3/s entre dezembro e abril

25 de novembro de 2021

Foto: Divulgação.

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) determinou a redução de 100 metros cúbicos por segundo na vazão dos reservatórios das usinas hidrelétricas de Furnas e de Marechal Mascarenhas de Moraes (Peixoto) entre 1º de dezembro deste ano e 30 de abril de 2022. A medida foi adotada por meio de resolução publicada no Diário Oficial desta quarta-feira e, segundo a ANA, busca proporcionar melhores condições de recuperação dos volumes armazenados durante o próximo período chuvoso.

A agência determina que a vazão média a ser liberada pela hidrelétrica de Furnas não poderá ser maior do que 300 metros cúbicos por segundo nesse período e estabelece o limite de 400 m3/s como a maior vazão média semanal que poderá ser liberada pela usina. De acordo com a resolução, os limites serão suspensos caso o reservatório atinja 70% de seu volume útil ou mais do que isso.

Para o reservatório de Mascarenhas de Moraes, a liberação média deverá ser de até 300m3/s e a máxima vazão média semanal deve ser de 370m3/s, sendo que os limites também poderão ser suspensos em caso de atingir 70% ou mais do volume útil. Tanto para Furnas quanto para Mascarenhas de Moraes, os limites para as vazões têm uma tolerância de 5% para mais ou para menos e a semana operativa é considerada de sábado até sexta-feira da semana seguinte.

De acordo com a resolução, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) poderá realizar a operação dos dois reservatórios com condições diferentes para atendimento de questões elétricas ou energéticas por até sete dias, apresentando justificativa para a ANA em até uma semana após cada situação do tipo.

O ONS também poderá solicitar a flexibilização dos limites estabelecidos para Furnas e Mascarenhas de Moraes junto à agência, caso seja identificado um desequilíbrio entre os volumes armazenados nas bacias dos rios Grande e Paranaíba – se os maiores volumes forem observados na bacia do Grande. Em caso de operação para controle de cheias, os dois reservatórios também ficam dispensados das condições temporárias de operação contidas na Resolução nº 110/2021.