Destaques Do Leitor

Amor e o poder

19 de junho de 2020

O título do texto refere-se ao nome de uma música que embalou corações na década de 80, interpretada pela belíssima cantora, Rosanah Fienngo.

Como gosto muito dessa canção, em tempos de quarentena resolvi dar uma volta ao passado, relembrando e revivendo momentos de uma geração rica de grandes compositores e intérpretes.
Confesso que mesmo passado todo esse tempo, além da nostalgia, ainda me surpreendi com a letra, que hoje com maturidade, pude absorve-la com com mais entendimento.

Uma grande reflexão entre o amor, que é um sentimento por excelência, e o poder, que a princípio se revela dispensável numa relação onde as luzes do amor se fazem soberanas, tomou conta de mim.

Quando falamos em poder, logo somos alcançados pela ideia da fortuna ou da autoridade de alguém sobre coisas, ou mesmo sobre outras pessoas. Todavia, quando deixamos de cuidar de nós, sobretudo do nosso estado emocional, podemos ser surpreendidos por efeitos que podem se tornarem “poderes” em nossas vidas, nos comprometendo em nossas relações.

Um exemplo disso é quando somos tomados por um surto emocional, muitas das vezes permitidos por nós mesmos, ou seja, de dentro para fora, e como você se encontra em desarmonia , isso se torna um poder avassalador, trazendo consequências, as vezes irreparáveis.

Nesse momento, como nosso pensamento está submisso àquilo que criamos e aceitamos como verdade, abrimos uma enorme brecha nos tornando vítimas de um processo obsessivo de expressiva complexidade, na maioria das vezes.

Dependendo de onde procuramos ajuda, o quadro pode se agravar ainda mais. Para esses casos, temos na medicina convencional ótimas alternativas e também as casas espíritas que oferecem um atendimento relevante nessa área onde o poder que muitas das vezes não vemos, influencia sobremaneira nas relações, nos levando a perder amores marcados para se eternizarem.

Carlos Valente – Passos/MG