Destaques Geral

Alta demanda eleva cotação do frango

Por Nathália Araújo / Redação

8 de dezembro de 2020

Com os reajustes da carne vermelha, consumidores preferem comprar aves. / Foto: Divulgação

PASSOS – O quilo do frango vivo segue com preços firmes e estáveis há mais de um mês, conforme aponta o balanço do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Embora os reajustes não sejam expressivos, produtores da região têm percebido um grande aumento na procura pela mercadoria, especialmente no mercado interno, considerando que o valor das aves é inferior ao cobrado por carnes vermelhas e isso tem sido considerado pelos consumidores que procuram maneiras de economizar.


Você também pode gostar de:

Deslizamento de barranco atinge pátio de carros

Homem fica ferido ao bater em barranco

Destacando sobre como os produtores podem garantir que boas mercadorias cheguem ao consumidor final, o engenheiro agrônomo, João Carlos Leite, explica que é necessário seguir todas as recomendações sanitárias.

As instalações que abrigam as aves devem ser limpas regularmente, porque isso evita possíveis contaminações. Além disso, é fundamental que os animais sejam devidamente vacinados e vivam em locais confortáveis, de modo que contribua com o seu desenvolvimento. Investir em boas condições de produção é o que vai decidir o futuro do mercado, porque embora a procura seja boa, as pessoas também buscam por qualidade”, disse.

Cássio Lemos da Silva atua neste mercado há mais de dez anos e conta que está satisfeito com a demanda, no entanto, espera que os preços se tornem mais favoráveis, “Não podemos reclamar porque muitas coisas inesperadas aconteceram neste ano, mas acho que a cotação do frango só acompanhou a do milho, que é o alimento base das aves. Ou seja, o preço aumentou, mas os custos de produção também e isso não reflete nos lucros, então acredito que os reajustes são necessários até mesmo para impulsionar o agronegócio”, salientou o produtor.

Novo no setor, João Pedro Santos de Oliveira resolveu iniciar a criação de frango no início do ano passado para complementar a renda de sua família, que também cultiva grãos.

O trabalho exige tempo e certos cuidados, mas percebi que é um ramo muito bom, justamente pela grande procura. Quando começaram as medidas de isolamento por conta da pandemia do novo coronavírus, confesso que fiquei um pouco receoso, mas não chegamos a ter prejuízos e isso nos incentivou ainda mais. Agora, com as festas de fim de ano, as vendas já aumentaram bastante”, revelou.

Na atualização do último sábado, 5, a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), que faz parte do Cepea, informou que a cotação para o quilo da ave viva em Minas Gerais ficou em R$4,13, enquanto o produto congelado recebeu o orçamento para R$6,42. Frente a grande demanda, os registros mostram que, em novembro, o índice de exportações subiu 17,56% em relação ao mesmo período do ano passado.


Ovos recebem novos reajustes

PASSOS – Assim como ocorreu com a carne de frango, a procura por ovos também cresceu expressivamente desde o início da pandemia da covid-19, uma vez que se trata de uma fonte de proteína barata e atrativa para os consumidores. Diante da grande procura, a quantidade de mercadorias disponíveis para venda diminuiu e, consequentemente, o produto recebeu alguns reajustes. Conforme a última cotação divulgada pelas Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (CeasaMinas), a caixa com 30 dúzias, da qualidade branca, está em R$105, enquanto a vermelha chegou a R$125.

De acordo com Vanildo Pereira da Conceição, produtor rural há cerca de 25 anos, é comum que a produção de ovos seja maior nos meses mais quentes, época em que o produto costuma ser desvalorizado; no entanto, os altos índices de procura são responsáveis pela sustentação do preços.

Quem esperava por uma queda na cotação, com certeza está surpreso. Estou satisfeito com a atual situação do mercado e espero que as avaliações permaneçam favoráveis aos produtores, porque os lucros até conseguem nos incentivar a investir mais recursos”, afirmou.

Observando por outra perspectiva, na fazenda do agricultor José de Castro Filho, os ovos são caipiras e produzidos em menor demanda.

Consigo fornecer a mercadoria em muitas qualidades, brancas, verdes e vermelhas. Todos têm a gema bem amarelinha e são de galinhas criadas exclusivamente a base de milho. Costumo vender uma dúzia por R$8 e sei que o valor é inferior ao dos mercados, mas estou satisfeito porque as pessoas vêm até aqui para buscar o meu produto. No caso dos ovos das granjas, acho que os preços estão bons e devem impulsionar o comércio”, relatou o produtor.

Com o intuito de orientar acerca das estratégias para a produção de ovos dos mais diversos tipos, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) divulgou uma cartilha com informações técnicas que visam garantir a qualidade do produto.

O primeiro passo é manter a higiene do local em que as galinhas vivem, porque é necessário realizar a conservação genética dos animais, tanto para a questão econômica, quanto social. Esse é um alimento que faz parte da rotina de boa parte da população e o ideal é que tenha muita proteína para que isso seja refletido na saúde”, aponta a material.

Segundo a Embrapa, a cotação dos ovos deve ser reconsiderada somente após a mudança da estação, visto que as condições climáticas influenciam na produção. Diante dos preços que são estáveis desde o início de novembro, o aumento foi de 30,96% no comparativo com o mesmo período do ano passado.