Destaques Geral

Aeroporto de Passos é usado para remoções de pacientes com covid

1 de junho de 2021

Até o momento, já foram transferidas 13 pessoas para outras cidades, oito das quais foram de avião :/ arquivo FM

PASSOS – No dia em que se comemora o dia do comissário de vôo, Passos se vê às voltas com aeronaves enviadas pela Secretaria de Estado da Saúde para salvar vidas de pacientes com covid-19 e que precisam ser removidos para outras cidades por conta da falta de leitos na Santa Casa de Misericórdia de Passos (SCMP). Até o momento, já foram transferidas 13 pessoas para outras cidades, oito das quais foram de avião para Juiz de Fora e Caratinga, utilizando o aeroporto; quatro foram para Itajubá, de helicóptero, e o restante foi de ambulância para São Sebastião do Paraíso.

“Em Passos, temos o Aeroporto Municipal José Figueiredo, inaugurado em março de 2010, que é bem estruturado e, nesse momento que estamos vivendo, se tornou um instrumento fundamental para o transporte de pacientes, salvando vidas de pessoas que poderiam morrer se não recebessem o atendimento emergencial”, salientou o prefeito do município, Diego Oliveira.

De acordo com o diretor da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Passos, o médico Flávio Ferreira, 13 pacientes tiveram a remoção para outras cidades até o momento e dois outros que seriam transferidos optaram por não ir.

“Só nesta segunda-feira, 31, tivemos a transferência de dois pacientes. Era para ter sido quatro, porém, dois se recusaram a sair da cidade”, informou Ferreira.

Segundo o diretor, o paciente não é obrigado a ir para outra cidade, mas a recomendação é que, em caso de vaga, ele aceite, para que outros pacientes também possam ser internados na unidade.

Vale ressaltar e pedir a conscientização da população no que diz respeito ao seguinte: o paciente não é obrigado a ir para outra cidade, mas nós estamos aqui conclamando a população de Passos, quando esses leitos saem, que eles possam estar ocupando, porque outros pacientes estão chegando à unidade precisando desses leitos ocupados e já liberados em outras cidades”, disse o diretor.

Questionado sobre o custeio do transporte aéreo, Ferreira explicou que é de responsabilidade do governo do Estado. Já com relação aos pacientes que morreram ou que recebem alta em outras cidades, a responsabilidade com o traslado é do município.

“O carro funerário para buscar o corpo e a busca do paciente que recebeu a alta hospitalar deverá ser de responsabilidade do município”, informou Ferreira.

Na UPA, até ontem, 18 pacientes aguardavam por internação e outros 18 estavam internados. Na Santa Casa de Passos, segundo boletim divulgado nesta segunda-feira, os 50 leitos da Unidade de Terapia Intensiva Covid-19 (UTI) continuam ocupados e, na Enfermaria Covid, dos 45 leitos, 40 estão ocupados e um está interditado por motivo de isolamento de paciente com suspeita da doença. O hospital também informa que dos cinco leitos de UTI Neonatal, um está ocupado por um paciente, criança, em tratamento de covid.