Destaques Opinião

Acreditar

Por Paulo Natir

10 de novembro de 2020

Que o mundo é perfeito e que todas as pessoas são felizes. Quem me dera… como cantava Renato Russo, da banda Legião Urbana. Há momentos na vida que devemos colocar todo nosso entendimento e serenidade antes de tomarmos uma decisão. Está chegando a hora. Faltam apenas cinco dias para as eleições municipais. Apesar de termos inéditos sete candidatos a prefeito na cidade de Passos, muita gente ainda está procurando um candidato em que se possa confiar de verdade. Um candidato para chamar de seu.

As pessoas não querem saber de política. A turma está desanimada, sem esperança. Porém temos que dar valor ao nosso voto. Antes de ser um dever, o voto é um sagrado direito adquirido. É a nossa mais preciosa arma. Ou melhor, a segunda. Nossa arma imbatível é o terço. Salve Maria!

As pessoas que batem no peito e dizem que detestam política vão viver sempre sob as decisões das pessoas que gostam e se interessam pela política. “Simples assim”. Estamos desanimados porém, mais que nunca “é hora de levantar sacudir a poeira e dar a volta por cima.”

Somos responsáveis pelo destino de nossa cidade. Tenhamos prudência. Todo critério para escolha de nosso candidato é necessário. Vamos tentar conhecermos por completo a “ficha corrida” de nossos próximos mandatários. As pessoas eleitas vão comandar nossos destinos pelos próximos quatro anos e ainda podem concorrer à reeleição. Muito cuidado. Voto tem sérias consequências. Lembro aqui de uma musiquinha cantada sempre nas eleições pela turma do PT: “Uma cidade parece pequena se comparada com um país. Mas é na minha e na sua cidade que se começa a ser feliz.” É por aí…

Fácil é criticar, atirar pedras, desdenhar. Porém, parabenizo aqui todas as pessoas que toparam o desafio para concorrer nas eleições do próximo domingo. É um ato de bravura. É sair da zona de conforto e estar disposto a trabalhar para o povo. Não existe caminho longe da política. Todos os candidatos são vencedores. Enquanto eleitores, que tenhamos sabedoria para distinguir o joio do trigo.

O mundo parece que respirou um pouco mais aliviado na semana passada, quando o senador democrata Joe Biden foi eleito o quadragésimo sexto (46) presidente norte-americano. Ele venceu o republicano Donald Trump que disputava a reeleição. Durante todo processo eleitoral Trump anunciou que não aceitaria o resultado das urnas caso fosse derrotado. Ele está cumprindo o que disse e agora afirmou que vai levar o caso para julgamento na Suprema Corte. Porém, o mundo todo não está preocupado e ele tem o direito de espernear. Que vergonha Trump.

No último domingo, como faz parte de sua rotina, Joe Biden foi à missa, sobretudo, para agradecer a Deus por sua vitória em uma das eleições mais concorridas dos últimos anos. Os católicos não são maioria religiosa nos EUA. Outro destaque da eleição americana foi a vitória de Kamala Harris – a primeira vice-presidente norte-americana. De descendência negra, a senadora pela Califórnia foi uma das responsáveis pela grande virada de Biden.

Quem não gostou do resultado da eleição americana foi o presidente Jair Bolsonaro. Em mais um ato de extrema estupidez Bolsonaro apostou todas suas fichas em Trump. Quem vai sofrer as consequências somos todos nós pois, naturalmente Biden deve endurecer ainda mais as relações comerciais com o Brasil. Porém temos potencial de superar atos insanos e corrigir erros do passado. Realmente é preciso acreditar muito. Tenham uma
boa semana…

Paulo Natir é jornalista