Cidadania Destaques

ACE quer proibir esmolas a moradores de rua na Barra

Por Mayara de Carvalho / Redação

18 de março de 2021

Foto: Divulgação

S. J. BARRA – A Associação Comercial e Empresarial de São José da Barra (ACE) encaminhou ofício ao prefeito do município, Paulo Sérgio Leandro de Oliveira, e ao presidente da Câmara, Antônio Bícego, solicitando providências para proibir doações e esmolas para pessoas em situação de rua. Os ofícios foram lidos na sessão da última segunda-feira, 15, e devem ser analisados nos próximos dias pelo poder público.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Câmara
  • Assistência Social faz abordagem de pessoas no município

O presidente da ACE, Rômulo Leandro Alves, afirma que o pedido é uma forma de prevenção.

Temos visto que, em Passos, o número de pessoas em situação de rua tem aumentado e não queremos que isso ocorra em São José da Barra. Outro dia, uma mulher estava pegando um ônibus da linha Martins com quatro sacos, desses de ração, cheios de doações. Tentamos abordá-la, mas ela correu”, disse o presidente da associação.

Segundo ele, muitas pessoas estão na rua por não se adaptarem a questões domésticas.

A maioria vai por drogas, por não seguir regras. Na segunda-feira, vi uma senhora pedir um iogurte de uma determinada marca mas, como a pessoa deu de outra, a pedinte jogou a doação fora”, disse o presidente da ACE.

De acordo com ele, no bairro Bom Jesus dos Campos também foram vistas pessoas em situação de rua.

São José da Barra é um dos municípios que mais dá baixa no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) por ano. Aí vem a questão do desemprego. Os moradores da cidade ficam preocupados. Muitas pessoas estão mesmo em situação de vulnerabilidade e precisam recorrer à assistência social do município. Outros não precisam e usam a situação como forma de negócio. Não queremos Barra tomada como Passos ficou” disse.

Câmara

De acordo com o presidente da Câmara Municipal, Antônio Bícego, os documentos serão analisados em breve.

Somos nove vereadores, ainda temos que falar com o prefeito e vice, falar com a assistência social e olhar o que é correto. Queremos pesquisar como estão outros municípios”, disse Bícego.

Segundo ele, o Centro de Referência da Assistência Social (Cras) faz um trabalho com a população em situação de vulnerabilidade na cidade. Até a última terça-feira, o prefeito Paulo Sérgio Leandro de Oliveira disse que ainda não havia recebido a documentação e, quando os receber, vai analisar o ofício para poder dar um parecer sobre o pedido.

Dayane Rosa Avelar, dona de um supermercado na Barra, disse ter visto muitos pedintes nas portas, tanto do comércio onde trabalha, quanto em outros estabelecimentos pelo centro da cidade.

Eu não sou contra a pessoa pedir. Acho melhor pedir do que roubar. Tenho clientes que passam por dificuldades também e ficam constrangidos com os pedintes na porta. Perguntei outro dia de onde a pessoa que pedia era e ela me disse ser de Passos. Não acho que deveriam passar de um município para o outro, já ajudo muita gente da cidade. Não dá para ajudar todo mundo” disse a comerciante. Segundo ela, deveria haver mais fiscalização.


Assistência Social faz abordagem de pessoas no município

S. J. BARRA – A assistente social da Secretaria Municipal de Saúde Angélica de Fátima Silveira disse que, de alguns meses para cá, tudo piorou por conta da pandemia, mas que não existe nenhuma pessoa em situação de rua em São José da Barra.

Quando a gente identifica, vê alguém, a abordagem é feita de imediato. Perguntamos o nome da pessoa e qual dificuldade ela está passando para referenciar no Cras do bairro onde ela mora. Levantamos dados, perguntamos o endereço para fazermos a ponte com a assistente social do bairro da pessoa”, afirma Angélica

A atividade já está sendo feita. Somos profissionais preparados, já fazemos abordagens de forma efetiva para resolver a situação do usuário dos nossos serviços, dentro dos instrumentos que a gente utiliza, pautados na Política Nacional de Assistência Social. Caso a população identifique pessoas em situação de rua pela cidade, é só ligar para o Serviço Social da Saúde, pelo telefone (35) 3523 9200, ou no Cras, (35) 3523 923“.