Adelmo Soares

16 de janeiro de 2021

Dito Fogareiro

A nossa história de hoje pode (e deve) ser conferida com o carteiro e vereador de Guaxupé, de nome Baú,...

LEIA MAIS
9 de janeiro de 2021

Zé Então Tá

Década de 60. Algumas fazendas da minha família se concentravam no município de Frei Gaspar, acanhada cidadezinha localizada no leste...

LEIA MAIS
19 de dezembro de 2020

Tá morto sim!

O papel de médico do interior se constitui num dos parâmetros de referência da população como uma figura de suma...

LEIA MAIS
12 de dezembro de 2020

Jeitim mineiro

O perdigueiro brecou nas quatro patas, riscando o chão, quase encostando no velho que segurava o pato morto, avaliando-lhe o...

LEIA MAIS
5 de dezembro de 2020

O barbudo da estrada

No resgate a personagens pitorescos da querida Capitólio, revivemos na crônica de hoje as histórias do Dominguinho do Pinheiro, lembradas...

LEIA MAIS
28 de novembro de 2020

Trote

Se há uma coisa chata, difícil de aturar, é constatar que o interlocutor do outro lado do telefone se enganou...

LEIA MAIS
14 de novembro de 2020

Carta de uma mãe portuguesa

( Não achei justo rir sozinho deste texto me passado pelo Issah, tirado do seu último vício internêutico, e transcrevo-o...

LEIA MAIS
24 de outubro de 2020

Sinuca de bico

Ainda rapazote, morava eu numa república estudantil de Alfenas, perto da Faculdade de Odontologia e ao lado dum salão de...

LEIA MAIS
17 de outubro de 2020

Zé Gato

Era uma propriedade rural escondida pros lado da Vargem Bonita. Pouco mais que um sítio e menos um tiquinho que...

LEIA MAIS
10 de outubro de 2020

“Bir-corococór!!!”

O sô Clemente Soares morava prás bandas da Mutuca, município de Piumhi. Careca, alto, entrado nos anos, tocador de lavoura,...

LEIA MAIS
1 2 3 4