Dia a Dia

Viver bem

Décio Martins Cançado

5 de abril de 2022

Todos nós desejamos algo que, para se conseguir, demanda dedicação, sabedoria, reflexão, aceitação, entre outras coisas. ‘Viver bem’, o que também quer dizer, ‘em paz e harmonia’ consigo e com as demais pessoas. Parece complicado, não? Não, se partirmos do princípio de que muitas coisas pelas quais sofremos, nos angustiamos ou nos desgastamos são frutos de nosso temperamento, nossa ambição, imediatismo e, principalmente, de nosso egoísmo.
Em primeiro lugar, é preciso viver no presente: aqui e agora. O passado já foi escrito e não pode ser alterado. O futuro ainda não chegou e, por isso, não há o que dizer quanto a ele. O que existe, portanto, é o ‘presente’, que deve ser vivido com sabedoria, sem remoer fatos ruins do passado e nem se angustiar com o que poderá ocorrer no futuro. Enfim, significa ‘aceitação’ diante de situações que não podem ser alteradas e entender que não há como saber o que nos reserva o amanhã. Ter os olhos no presente para aproveitá-lo com serenidade. Evitar sentimentos que envenenam a alma, como o ódio, a inveja e o ressentimento, é uma atitude que tem intenso reflexo positivo no bem-estar físico e psíquico de qualquer pessoa.
Tudo isso não quer dizer que devamos assumir um comportamento comodista, sem sonhos a realizar ou sem metas a cumprir, mas sim, significa trabalhar, lutar e esforçar-se, diariamente, mas sem a famosa ‘pré-ocupação’, que nos tira do foco e mais atrapalha que resolve a maioria das situações.
Na sociedade contemporânea, tudo é ‘para ontem’, o que nos leva a vivermos sob permanente estresse. Mas será que realmente precisamos nos submeter a esse ritmo alucinante? Para que isso não ocorra, precisamos aprender algumas coisas diferentes, tais como: adaptar a rotina diária a um ritmo mais natural, sem tantos atropelos. Aprender a desfrutar do ócio sem remorso, dedicando-se a atividades que nos tragam prazer, como leitura, passeios, artesanato, viagens, pintura, música, etc.
Outro ponto interessante, é que as pessoas têm necessidade de se comunicarem com seu mundo interior e com o transcendente. Por isso, a necessidade de dedicar algum tempo do dia à dimensão espiritual. A oração é muito importante na vida de qualquer pessoa, mas orar não é necessariamente rezar. Orar é deixar emergir, com suas próprias palavras, aquilo que você traz internamente, expressando a Deus suas sensações.
Na hora de tomar uma decisão, muitos se angustiam com o provável julgamento que os outros farão. Esse tipo de receio pode levar a pessoa a abdicar de seus desejos diante da possibilidade da reprovação familiar ou social. Uma conquista que precisamos alcançar é a liberdade de falar aquilo que pensamos sem a preocupação de agradar a quem quer que seja. Isso não significa ser mal-educado ou inconveniente, mas simplesmente, sentir-se à vontade para externar desejos e opiniões, inclusive dando-se o direito de dizer ‘não’ a muitas demandas que são feitas pelos outros. Na hora de tomarmos uma decisão, os únicos questionamentos os quais devemos fazer são: Isso é bom para mim? Prejudica alguém? É ilegal ou imoral? – Respondidas satisfatoriamente essas perguntas, não há com o que se preocupar ou temer.
É bom ficar claro que desapego não significa desamor. “Ame muito as pessoas que fazem parte de sua vida, mas nunca as sinta como propriedade sua. O apego excessivo sufoca o outro.”
Enfim, a vida humana, desde seu instante inicial até o momento final, passando pelas mais diversas situações de relacionamento e convivência, reveste-se de mistério, beleza, razão, emoção, perdas, alegrias, conquistas, derrotas, despedidas, encontros e transcendência. E é assim que deve ser, e quase sempre não depende somente de nós o que vai acontecer.
Aprendamos, com humildade, aceitação e sabedoria que podemos conviver com tantas variáveis sem deixar de termos alegria e felicidade. Acredito que isso seja saber viver.