Dia a Dia

Novas etapas, novas caminhadas

SEBASTIÃO WENCESLAU BORGES

16 de junho de 2021

É hora de ceder esta coluna para outros olhares: Chega um dia que uma etapa termina para dar início a novas etapas, novas caminhadas. O tempo passa e as coisas se renovam.

Lá no início do ano de 2002, quando minhas escritas começaram a aparecer neste Jornal, elas iam para a Coluna do Leitor. Depois passaram a ser direcionadas para a Coluna Opinião. Passado algum tempo, recebi um convite do Carlos Parreira para escrever semanalmente a coluna do “Dia a Dia.” Foi uma honra escrever e publicar nesta coluna mais de 600 artigos sobre os mais variados temas!
Quem me conhece sabe que minha vida inteira me dediquei à profissão de sapateiro.  No ofício, sempre vivia em contato com as pessoas, conversando, escutando histórias, recebendo informações dos fatos e notícias do nosso dia a dia de nossa cidade de Passos e da região.

Convivi também com muitos amigos durante vários anos participando da caminhada dos Vicentinos, bem como nas palestras em escolas, faculdades e na Associação dos Escritores. E assim, acumulando conhecimento, fui reproduzindo memórias, fatos e acontecimentos nos textos em minha coluna na Folha. Fui me tornando um escritor, pouco a pouco, lançando meus textos, minhas crônicas e meus livros!

Escrevi muito sobre minha infância e sei que os meus textos sobre os meninos dos anos 40 e 50 devem ter retratado também muitas outras crianças daquela minha geração, que jogavam bola no campinho pelas ruas poeirentas, vendiam quitandas e frutas, nadavam nos córregos espalhados pela nossa cidade ou viam com olhares cheios de alegria o trem de ferro passar.

Escrevi tantas vezes sobre as viagens de trem, nos tempos da Maria Fumaça. Sobre chegadas e partidas, sobre viagens, enquanto a estação recebia as composições vindas de diferentes origens, todas com destino a Passos. Lembranças também sobre brincadeiras, matinês, gibis, figurinhas, cinema, rádio, radionovelas, igrejas, festas, personalidades e tudo mais.

Sobre futebol, campeonatos dos anos 50 do nosso futebol que era a grande diversão e paixão daquela época, sobre as eleições, os partidos, os comícios, as apurações e as comemorações das vitórias. Também sobre meu time de coração e jogos antigos. Tenho certeza que muitos leitores reviveram histórias sobre candidatos pitorescos e fatos da política passense, assim como muitos se lembraram do futebol como era antigamente.

Escrevi sobre lugares que visitei, viagens que fiz e pessoas amigas que tive o prazer de conhecer. É bom saber que ao escrever sobre minhas idas a São Paulo, ou qualquer outra cidade, leitores se identificaram me parando na rua ou me telefonando para contar cada vez em que cada um viajou e conheceu um novo lugar, matou saudades de um filho, uma filha, um parente distante. Viajar é bom, viajar nas palavras é melhor ainda! Sempre que você for fazer uma viagem, faça como eu: anote em um caderninho as coisas mais marcantes e um dia você pode reviver essa viagem na memória!

Muitas vezes escrevi sobre o aniversário de Passos e pessoas que ajudaram a marcar nossa história. Pessoas da nossa terra que marcaram minha vida e eu retratei com muito prazer na minha coluna durante todos esses anos. Todos nós temos muito a dizer sobre nossa cidade, sobre nossa cultura e sobre tudo que acontece, do mais simples do dia a dia, aos fatos mais importantes do nosso país e do mundo. Não precisa ser profissional. A única coisa que precisa é ter vontade de dizer a todos uma ideia, uma opinião, um causo, uma história, um momento que faça refletir sobre a vida ou o dom da amizade. Escreva, pois isso faz bem a quem escreve e a quem lê!

Durante anos fiz questão de escrever sobre datas comemorativas, as mais comuns e tantas outras. As festas populares, quermesses, natal, ano novo, dias de santos, carnaval, semana santa, causos de assombração, anos 60, anos dourados, festas juninas, a Barrinha de antigamente dos jogos de futebol, circos, parques, ciganos, Praça da Matriz e seu “rela”, Praça do Rosário e a antiga rodoviária, o Mercadão, o estilo do comércio e tantos outros assuntos que iam surgindo e ficando registrados, me dando assim o privilégio de ter centenas de textos em meu arquivo, e quem sabe deles poderá surgir novos livros!

Agradeço a oportunidade dada pelo Carlos Parreira, um grande incentivador. Agradeço aos leitores e leitoras que tanto falaram comigo semana a semana, durante décadas. Agradeço os comentários, as críticas, os elogios e todas as pessoas que me inspiraram a escrever.

Agora chegou a hora de dar espaço aos mais novos!

Fiz novas edições dos meus 3 livros: Memoriando (6ª edição), Proseando e Férias Na Roça (2ª edição),  que estão disponíveis para quem quiser adquirir e desfrutar de minhas escritas. Enfim, estou me despedindo dessa Coluna, mas não de vocês, que continuam sendo meus amigos e minhas amigas de sempre. Até breve!!!