Dia a Dia

Medicina e o “novo normal“

POR MERALDO ZISMAN

4 de fevereiro de 2021

Estaremos caminhando para uma Medicina sem médico nesse denominado mundo novo normal pós-pandemia? Vamos à minha profissão que exerço há mais de sessenta anos. O perfil do médico passou a ser o de um profissional dispensável e com tendências a virtualidade.

Adianto ao leitor: a qualidade não material está muito em moda, dentre as muitas novidades trazidas ou aceleradas por essa gripe sazonal que se diz ser uma pandemia (pandemia é o nome que se dá a qualquer epidemia de doença infecciosa que se espalhe por uma grande região geográfica, como um continente ou até mesmo todo o mundo como a Covid 19).

O que mudou foi a maneira da relação médico-paciente. Senão vejamos alguns aspectos da prática médica. Qual a importância e a necessidade de ter um profissional para palpar, auscultar, ter empatia, afinidade, solidariedade, se todas as respostas e perguntas tornarem-se simples algoritmos orientados pelas perspectivas estatísticas, de frequência, tendências, desvios padrões, percentuais, etc.

A medicina tornar-se-ia num conjunto de meras probabilidades, expresso em números e baseado em exames complementares, sejam laboratoriais ou produzidos por imagens. Benjamin Disraeli (1804-1881) político e escritor inglês já dizia no seu tempo: “Existem três tipos de mentiras: as mentiras, as mentiras deslavadas e a estatística”.

Por sinal, esquecemos repetidamente que cada criatura ao sofrer de uma enfermidade é de comportamento singular, dado que cada pessoa é um sistema biopsicossocial único — sofre, padece, sente, reage de maneira particular. Além disso, a Medicina não é um conjunto de sim ou não, certo ou errado e muito menos uma tendência com margem de erro para cima ou para baixo. Mas vamos aos fatos.

Contam por aí que há agora médicos que nem mesa de exame clínico possuem em seus consultórios. Baixam a cabeça depois de uma saudação para o macambúzio intitulado paciente e não ouvem/escutam/enxergam e muito menos vêm, ouvem ou falam com a pessoa que os procura. Acham que não há necessidade de examinar, palpar, sentir, tocar, pois há exames laboratoriais, ultrassonografia portátil e quejandos, que diminuem o seu trabalho, facilitado e concentrado nas tecnologias médicas.

Tais médicos passam a vida procurando patologias nas imagens distorcidas das tomografias e tantas outras imagens, almejando conhecer e aliviar o sofrimento daquele que os consultam. Imagino a distorção oftálmica de um radiologista que enxerga a vida de uma pessoa pela chapa de um RX. Agora, com a ressonância magnética, a tendência é o atendimento piorar cada vez mais.

Tomo como exemplo o PetScan (um exame de diagnóstico diferente dos demais exames de imagem, como a tomografia computadorizada e a ressonância magnética e outros assemelhados e que possui a capacidade de imaginar os problemas a nível celular através da emissão de radiação atômica).

Ademais, a referida geringonça tecnológica mede a atividade metabólica das células, identificando o câncer precocemente. Para saber se vale a pena intervir ou envenenar um tumor (e muitas vezes o próprio paciente), identificado como maligno ou benigno, não importando o local onde apareça, mas não informa as emoções humanas.

Além do mais, será pertinente lembrar: existem médicos que tem nojo de tocar no doente, colocam sobre a mesa que os separam um computador e outras parafernálias tecnológicas como se fosse uma camuflagem midiática separadora das emoções dele e das do paciente.

Os muros criados pela ciência tecnológica são uma boa saída para alguns ou a maiorias dos médicos, com seus ascos ou repugnâncias pessoais, evitando tocar o corpo, quanto mais a alma ou a mente da pessoa que necessita de cuidados.

Independente desta explanação inicial, agora está na moda discutir sobre a obrigatoriedade da vacina, se a vacinação compulsória é ou não democrática, se é ou não indicado o uso de um imunizante contra as doenças infectocontagiosas, seja por bactéria ou vírus. CONTINUA…

MERALDO ZISMAN – Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha).