Dia a Dia

Fé, otimismo, covid-19 e a educação à distância

POR BADY CURI NETO

4 de março de 2021

Tenho por hábito escrever artigos para diversos periódicos do país, seja da web ou de folhas, motivado por uma indignação jurídica (crítica ou não) sobre determinado tema ou decisão judicial. Como Advogado, ex-juiz do TRE/MG, Professor de Graduação, Pós-graduação, Mestre em Instituições Sociais, Direito e Democracia, confesso, de público, que minha inclinação é voltada para textos de Direito, já que matéria que “convivo” diuturnamente por mais da metade dos meus 52 anos de idade.

Desta feita, eu me permiti arriscar falar um pouco sobre a vida, otimismo, e a crise da Covid-19, com reflexos no campo educacional dos cursos superiores, no intuito de passar uma mensagem daquilo que acredito, consubstanciado na fé em Cristo e na minha experiência empírica.

Todos nós, ao depararmos diante de determinado problema, seja de ordem profissional, pessoal, familiar, saúde, entre outros, na maioria das vezes nos perguntamos: Esta carga não está pesada demais para mim? Sem procurarmos a resposta ou a direção para aliviar o fardo, voltamos nossos olhos para Cristo em busca, apenas, de pôr termo às dificuldades apresentadas.

E não há nada de errado suplicarmos a providência divina, ao contrário louvável é a fé. Porém, em vez de assentarmos queixosos com as perturbações, procurando um escudo divino, não deveríamos voltar para o Altíssimo em busca de luz para apontar o trajeto na superação daquela dificuldade? Pergunto: Existe chegada sem um caminho que a preceda? Há como contemplarmos o amanhecer sem passar pela noite?

A estas e outras interrogações respondo, no meu sentir, com a linguagem poética de Adoniram Barbosa, Deus dá o frio conforme o cobertor, e, complemento com linguagem cristã “Faça sua parte, que Eu te ajudarei”. Todas as dores e problemas que a vida nos apresenta servem como lições. Amigos podem solidarizar, mas a vivência é sua, o frio lhe pertence, confeccione o seu próprio cobertor.

Busquem em Deus a força para o trabalho, o caminho para a solução, o remédio para a cura, mas nunca, o trabalho sem força, a solução sem esforço e a cura sem o remédio. O Pai tem o dever de ensinar ao filho, esse, o dever de passar pelo aprendizado. Inicio com palavras de Fé, pois como dito no preâmbulo, falarei daquilo que acredito, consubstanciado na fé em Cristo e na minha experiência empírica.

Outro ponto que gostaria de ressaltar é sobre a crise ora vivenciada pela pandemia, o nefasto COVID-19, com desdobramento em todas as áreas, financeira, educacional, social, afetiva e educacional. Este problema é real, está presente. Existem duas formas de encararmos, com responsabilidade e otimismo ou com irresponsabilidade.
No campo educacional, no qual milito como professor, poder-se-ia dizer, em uma visão rasa, superficial e, até mesmo, estatística que o estudo a distância elevou as notas dos alunos, refletindo um melhor aprendizado.

Infelizmente, não é isto que tem ocorrido. Os alunos têm aproveitado da falta de fiscalização, com raras e responsáveis exceções, para ligarem seu computador e ausentarem da “sala” de aula, sabedores da facilidade das “colas” nas provas, já que é impossível a presença física do professor. Passam de ano, mas não absorvem o conteúdo lecionado. Para estes, digo que não estão trilhando o caminho do aprendizado, mas buscando a solução momentânea do passar de ano. Replico a 1ª e a 8ª lição do fundador da Microsoft, Bill Gates, em uma palestra na University of Southern California;

1ª – A vida não é fácil. Acostume-se com isto.

8ª – Sua escola pode ter criado trabalhos em grupo para melhorar suas notas e eliminar a distinção entre vencedores e perdedores, mas a vida não é assim. Em algumas escolas você não repete mais de um ano e tem quantas chances precisar até acertar. Isto não se parece absolutamente nada com a vida real. Se pisar na bola está despedido… RUA! Faça certo da primeira vez.

Não tenho a pretensão de dar lição de moral a quem quer que seja, até mesmo porque no ímpeto da minha juventude poderia estar cometendo os mesmos erros. Todavia, com a maturidade que os cabelos brancos revelam, chamo a atenção que notas nem sempre são sinônimos de aprendizado, o boletim de hoje poderá resultar na frustração profissional de amanhã. Para que o artigo não se torne enfadonho em demasia, termino dizendo que todos os problemas passarão, sejamos otimistas.

O otimista é aquela pessoa que se revela confiante, esperançosa e positiva. O otimismo eleva a autoestima permitindo sermos mais felizes e alegres. Winston Churchill, famoso estadista britânico, 1874-1965, certa feita disse, “O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê oportunidade em cada dificuldade”. Por fim, plagiando provérbio indígena. “Dentro de mim, existem dois lobos: O lobo otimista e o lobo pessimista. Existe uma disputa entre ambos. Qual vencerá? O que eu mais alimento”.

BADY CURI NETO, advogado, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.