Dia a Dia

Dia a Dia: É preciso decidir

31 de março de 2020

Na vida, somos obrigados a tomar decisões a cada situação, a toda hora, frente aos questionamentos que nos são feitos, e isso nem sempre é fácil. É como se estivéssemos numa viagem de carro e, em cada ‘trevo’ tivéssemos que decidir entre ir em frente, tomar a estrada da direita ou a da esquerda. Sempre decisões. Elas ficam mais fáceis quando buscamos conhecimento, quando planejamos a nossa vida, o nosso dia a dia, e à medida que acumulamos experiência nos diversos locais de convivência e de trabalho. Vejamos a seguinte parábola, que ilustra de forma curiosa este assunto: “Havia um grande muro, separando dois grupos. De um lado, estavam Deus, os Santos e os Anjos. Do outro, estavam Satanás, seus demônios e todos os humanos que não servem â Lei. Em cima do muro, estava um jovem indeciso, que havia sido criado num lar cristão, mas que agora estava em dúvida, se continuaria servindo a Deus ou se deveria apenas aproveitar os prazeres do mundo, de forma inconsequente e libertina.
O jovem observou que o grupo do lado de Deus o chamava, gritando sem parar: – “Hei, desce do muro… Vem pra cá”! Já o grupo de Satanás não gritava e nem dizia nada.
Essa situação continuou por um tempo, até que o jovem indeciso resolveu perguntar a Satanás: – “O grupo do lado de Deus fica o tempo todo me chamando para descer e ficar do lado deles. Por que vocês não me chamam e nem dizem nada para me convencer a descer para o seu lado?” Grande foi a surpresa do jovem, quando Satanás respondeu: – “É porque o muro é meu”, quer dizer, quem está com Deus, com o bem, já escolheu de que lado está.
Refletindo sobre essa parábola, podemos concluir: “Nunca se esqueça. Não existe meio termo. O muro já tem dono. Viver é tomar decisões”.
Você sabe aonde quer chegar? Consegue retratar seu momento atual? Sem meta, objetividade e propósito, não há realização, não há como tomar a decisão mais acertada. Você pode viver como um barco à deriva, levado pelos acontecimentos, e na medida do possível sobreviver a eles, ou pode ser o ‘gerador das circunstâncias’; neste caso, você terá o domínio do caminho que está trilhando. De nada adianta sonhar, idealizar e imaginar como será sua vida no futuro, se você não planejar, não definir as vias de acesso para chegar lá e, acima de tudo, agir com disciplina.
O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. Ele é um instrumento para raciocinar agora sobre que ações serão necessárias hoje, para merecer um futuro melhor. Como já afirmou Peter Drucker: “O produto final do planejamento não é a informação: é sempre o trabalho.” O empresário Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar, sempre dizia que o seu sucesso empreendedor é definido em duas palavras: ‘fé e trabalho’. E o inesquecível piloto de fórmula 1, Airton Senna, afirmava com frequência: “No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo: ou você faz a coisa bem feita ou não faz!”
Em qualquer situação que nos encontremos, também é importante podermos contar com a ajuda de alguém com mais experiência e conhecimentos, que possa nos mostrar o caminho e orientar. Mas, será que sabemos acolher e ouvir o aconselhamento dos outros? O consultor Rodrigo Queiroz é que nos fala: “Aqui vão quatro dicas para a arte da conversa: 1) – Escute de forma ativa. É fácil distinguir os melhores interlocutores, pois eles sabem ouvir sem interromper, para depois expressar sua opinião. 2) – Dê sua opinião somente quando a pedirem. Invadir o território alheio para dizer a alguém o que fazer pode causar atritos. Julgamentos sobre assuntos pessoais só são apropriados quando expressamente solicitados. 3) – Evite distrações. Nada é mais desmotivador para alguém que está falando, do que ver seu interlocutor atender o celular. 4) – Formule perguntas. Quando alguém relata uma experiência ou expõe um ponto de vista, seu discurso pode se tornar estéril se nos limitamos a escutar. Perguntar sobre o que estão tentando nos explicar é uma ótima forma de aprofundar o diálogo”. E é sempre oportuno ouvir o que nos diz o filósofo Nietzche: “Na maior parte das vezes, não aceitamos uma opinião; isso acontece por causa do tom em que ela foi manifestada.”
Concluímos com o pensador Goethe, que afirma: “No momento em que nos comprometemos, a Providência Divina também se põe em movimento. Os acontecimentos fluem a nosso favor. Como resultados da ‘atitude’, seguem-se todas as formas ‘imprevistas’ de coincidências, encontros e ajuda que nenhum ser humano jamais poderia ter sonhado encontrar. Qualquer coisa que você possa fazer, ou sonhar, pode começar. A coragem contém em si mesma, o poder, o gênio e a magia.”

 

Décio Martins Cançado