Dia a Dia

A lei do sucesso – Parte 1

LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO

7 de junho de 2021

De autor desconhecido e constante numa das folhinhas do calendário de Aparecida, analisaremos alguns ensinamentos.

“Para um bom ganhador não existem derrotas.” – Significa tal ensinamento que uma pessoa que sabe ganhar e está sempre ganhando, uma ou outra derrota poderá até ser uma decepção, mas, não terá a força suficiente para esmorecer o ânimo do ganhador. Mesmo que doída a derrota, ele, sabiamente extrairá dela uma experiência a mais e descobrirá o que foi que não deu certo. Não errará novamente!
“Para quem escolheu ser um vencedor, tudo tem um proveito.” – Quando a pessoa sempre conseguiu conquistar seus projetos com trabalho, seriedade, honestidade e inteligência, ela sabe que nada é perfeito e nem tudo acontece como deseja. Ela sabe que os empecilhos podem surgir e às vezes o barco precisa corrigir seu rumo. Ao não dar certo o seu trabalho, o seu empenho em acertar, ela analisa, estuda e percebe que pode tirar algum proveito daquilo que não funcionou bem.

“Não existem perdas, apenas fins de ciclos.” – Perder faz parte da vida. Nem sempre se ganha. As pessoas batalhadoras, que constroem seus projetos e lutam por eles, sabem disso. No caminho haverá obstáculos que deverão ser contornados e, vez ou outra, poderão trazer algum prejuízo. Para essas pessoas, as perdas, os prejuízos, poderão causar desagradáveis transtornos e até abalar as estruturas do trabalho que se desenvolve. Quantas pessoas já não precisaram começar tudo de novo, com o maior sacrifício, para recuperar e reconstruir aquilo que perderam. Foi o fim de um ciclo, um novo começo, com mais experiência.

“Não existem tombos, apenas mudanças.” – Quando alguém sofre uma derrocada, um tombo no meio do caminho, o desânimo se apodera da pessoa e ela, por alguns momentos, até pensa em desistir. Mas, quando ela tem fibra, luta contra o desânimo e reage com forças, percebe que os tombos são passageiros e podem significar que estão mostrando um novo caminho, uma correção do rumo, uma nova direção. Mudanças sempre existirão em todos os sentidos, até porque nada é perfeito e eterno neste nosso mundo. Salvo engano, este ditado é português: “Não podemos controlar o vento, mas, podemos ajustar as velas do barco.” É para se ´pensar!

“Não existem inimigos, apenas pessoas diferentes.” – Se for no sentido de adversários apenas ou pessoas que comungam o mesmo ideal, mas, pensam e agem de forma diferente, tudo bem! Concordamos! São pontos de vista diferentes, são caminhos desiguais, mas, para chegar no mesmo lugar ou quase. Quando pessoas que não só discordam com a outra, mas, desejam obstruir o caminho dela, atrapalhar, derrotar, não podemos dizer que sejam apenas diferentes. Elas os são, sim, mas de maneira desleal!

“Não existem problemas, apenas chances de se exercitar.” – É claro que existem problemas, mas, não podemos dar a eles as dimensões que não possuem. É preciso equacionar os problemas na medida certa, saber contorná-los. Depreende-se que os problemas oferecem oportunidades para reflexão e ação. Devem ser contornados com inteligência e bom senso. É aí que a pessoa terá oportunidade de colocar em prática a sua capacidade de se exercitar na solução dos problemas ou ao menos saber amenizá-los, para que o estrago seja o menor possível.

“Não acontecem desgraças, apenas chamas passageiras.” – Outro conselho que exige reflexão. O que entender por desgraça? Há pessoas que fazem uma tempestade em copo d’água, como diz o ditado. Novamente, é preciso raciocinar, pensar, medir o tamanho do acontecimento para saber até que ponto ele possa ser considerado uma desgraça ou apenas algo desagradável ou fora do contexto planejado e esperado. No sentido de um percalço passível de ser contornado e corrigido o caminho, tudo bem! É tocar o trabalho ou a vida para frente, com fé e esperança. Quando, realmente, algo muito triste, incontornável, de solução difícil, que diz respeito à vida, como um acidente, resultando em invalidez ou morte, não se pode dizer que sejam apenas chamas passageiras. Passarão com o tempo, mas, deixarão cicatrizes no coração e na alma.

LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO, professor de oratória e de técnica vocal para fala e canto em Carmo do Rio Claro/MG, ex-professor do ensino comercial com reg. no MEC, formado no curso Normal Superior pela Unipac. e-mail: [email protected]