Dia a Dia

7 de setembro de 2021

BENEDICTO ISMAEL CAMARGO DUTRA

4 de setembro de 2021

Em homenagem a Maria Leopoldina, José Bonifácio e Pedro I, o “7 de setembro” é oportunidade ideal para mobilização social e patriótica para combater a depravação política, social e econômica em que o Brasil foi lançado por pseudoestadistas que permanecem atrelados a poderosos interesses externos que visam usurpar a autonomia conquistada em 1822, em prejuízo da nação e sua população. Aqueles que se posicionaram como donos do Brasil, agindo como entreguistas dos recursos naturais e do mercado, não suportam a ideia de que o país possa ser governado em função dos interesses da nação e de sua população, e vão espalhando mentiras por todos os lados.

Em sua carta testamento, Getúlio Vargas bem expressou a sua angústia por não ter alcançado seus objetivos de governo. “Levo o pesar de não haver podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia. A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa. Acrescente-se a fraqueza de amigos que não me defenderam nas posições que ocupavam, a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês e a insensibilidade moral de sicários que entreguei à justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país, contra a minha pessoa.”

O mundo necessita de pessoas capacitadas para encontrar soluções inovadoras para problemas complexos, isto é, pessoas que tenham a capacidade intuitiva em funcionamento, pois só ela possibilita a visão ampla dos acontecimentos através da construção de cenários que permitam visualizar soluções. Mas isso está faltando na atual crise, dada a ausência de propósitos enobrecedores visando o bem geral e aprimoramento da sociedade. O período da pandemia deveria ter produzido um melhor entendimento entre as pessoas, mas parece que em muitos casos está piorando. A vida é maravilhosa, mas os seres humanos se afastaram do real significado da vida, passando a ter uma existência mecânica sem a participação da alma, e nada mais é como deveria ser.

Há muitas controvérsias sobre a vacina e não podemos ignorar os “vai e vem” nas explicações. Eram necessárias duas doses, agora se fala na terceira, aumentando o faturamento e a ansiedade. Todavia, se o mundo todo está recebendo as vacinas, por que ficar atacando esse ponto? O foco deveria estar dirigido para o aprimoramento da espécie humana, decadente e corrupta, que fez do viver na Terra uma luta ignóbil.

Em sentido figurado, o mundo está pegando fogo. É muito difícil modificar a rota dos acontecimentos caóticos que se precipitam sobre a humanidade. As trevas interferem em tudo e dominam muitas pessoas revoltadas, descontentes com o próprio destino que foi originado por elas mesmas, e do qual só poderiam se desvencilhar se, cientes disso, passassem a agir querendo e sempre buscando o bem e a Luz da Verdade, confiantes que as leis da Criação, a Vontade do Criador, enviará a força restauradora para restabelecer a paz e a felicidade.

No capitalismo ocidental faltou vontade e preparo para manter sadias a sociedade, a política e a economia. A humanidade criou a grande tragédia ao não conseguir viver em pacífico progresso, pois para satisfazer as próprias cobiças foi causando sofrimentos a outros, contrariando o fundamental ensinamento de vida ofertado por Jesus.

Nestes tempos sombrios, vale lembrar o Dia do Soldado, comemorado no Brasil no dia 25 de agosto em homenagem ao nascimento do Marechal Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias (25.08.1803/ 07.05.1880), patrono do Exército Brasileiro, que se tornou conhecido como “o pacificador” após sufocar muitas rebeliões contra o Império. Em 2021, o Brasil enfrenta crise de poder; os inimigos do país se voltam contra assim como ocorreu naquela época, com oposição à independência da colônia.

Grande parte das pessoas que vive no Brasil recebeu pouco preparo e foi afastada da nacionalidade. Com isso, o país nunca se tornou aquilo que poderia e deveria ser, uma Terra de Vera Cruz, ou seja, da Cruz da Verdade, aquela avistada no céu por Cabral em abril do ano de 1.500. E o ano de 2022 assinalará o simbólico bicentenário da independência do Brasil.

BENEDICTO ISMAEL CAMARGO DUTRA, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.