Colunas Sociais - Região

São Sebastião do Paraíso

20 de abril de 2020

DISCRETO NA VIDA E NA PARTIDA: UM TRIBUTO AO MONS. HILÁRIO PARDINI

Canta o salmista que é comum chegarmos aos 70, e que os mais fortes chegam aos 80 (cf. Sl 89,10). Coitado do hagiógrafo, não imaginava que Monsenhor Hilário Pardini viveria até os 102. Hilária foi a longa trajetória de Hilário. Menino simples, coração gigante, sacerdote discreto e muito trabalhador. Operário da primeira hora (cf. Mt 20,1-16), viveu 77 anos como sacerdote, dispensando as bênçãos e graças de Deus. Mons. Hilário era a história viva da Diocese de Guaxupé. Conviveu com oito dos nove bispos que tivemos, formou muitos padres, quase todos o precederam no céu. Foi pároco, vigário, chanceler, vigário geral, cônego, monsenhor e, mais do que os títulos e funções, fora ele o rosto misericordioso de Deus para seu povo. Tem gente que parece não combinar com a morte. Assim era o monsenhor, visto por nós quase como um imortal. No fim da tarde de 13 de abril, depois de uma vida toda entregue a Deus, diante de Deus foi chamado a apresentar-se. Os sinos repicavam anunciando sua partida e consternado seu povo chorou. Enquanto muitos retornavam à suas casas para o descanso do labor diário, o monsenhor retornou para a morada eterna depois de uma laboriosa existência. Caiu para nós a noite e para ele o sono do descanso eterno. Dormiu para este mundo e despertou para a realidade celeste. E em 14 de abril, como discreta foi sua vida, também discreta foi sua partida. Não foi possível os cerimoniais fúnebres, não teve multidão para se despedir, não tiveram políticos para aproveitar da ocasião. Nada de estrondoso poderia ser feito, até porque sua partida silenciosa, tal como a entrega de Jesus, é um estrondo que ecoará na história por muitos e muitos anos. Quem no silêncio viveu e trabalhou no silêncio se foi e descansará. Seu corpo, como uma semente, foi devolvido a terra. E cremos firmemente que de seu bravo testemunho muitos frutos germinarão nesta seara sul – mineira. Baixou-se a terra quem do chão ergueu muita gente por meio dos sacramentos. Servo bom e fiel entra na alegria do teu Senhor! Bom e merecido descanso, querido monsenhor!

Guilherme Ribeiro da Silva Poços de Caldas, 14 de abril de 2020.

Oitavas da Páscoa do Senhor.

 

No cemitério o Bispo Dom José Lanza e mais 4 padres fizeram a última oração diante do caixão no carro fúnebre e, em seguida, o sepultamento com os devidos cuidados de tempos de pandemia. Impossível conter a aglomeração.

 

Luto

O cortejo fúnebre, em 14 deste abril, foi uma emocionante homenagem ao Monsenhor Hilário Pardini, falecido no dia 13, aos 102 anos de vida e 77 anos de sacerdócio. A viatura do Corpo de Bombeiros de São Sebastião do Paraíso abriu o cortejo seguido pelo carro de serviço funerário e um grande número de veículos para o adeus àquele que durante 40 anos dedicou-se à cidade e seus paroquianos. Os sinos da Igreja Matriz São Sebastião dobraram e nas calçadas o povo, emocionado, aplaudia a passagem do féretro, filmava, fotografava como última lembrança. Monsenhor Pardini foi sepultado no mesmo túmulo de Monsenhor Mancini que o antecedeu na paróquia.

Padre José Renato faz oração na saída da Santa Casa

Famíliares, Prefeito Walker Oliveira, Provedor da Santa Casa Fernando Alvarenga

Cortejo