C. R. Claro

29 De Maio – Dia internacional do Peacekeeper

NANA DE MINAS

2 de junho de 2021

O Coronel da reserva do Exército, Getúlio Vergetti de Menezes, é pernambucano e hoje reside entre CRClaro e São Paulo. Como um bom Militar que é, fez questão de lembrar no Facebook e de comemorar com orgulho o DIA INTERNACIONAL DO PEACEKEEPER.
Diz Getúlio por e-mail à colunista:

 

“O dia 29 de maio é reservado para homenagear os homens e mulheres que contribuem para a manutenção da paz e da segurança ao redor do mundo.

Em maio de 1948, a ONU enviou o primeiro contingente de observadores militares para monitorar o acordo de cessar-fogo na guerra entre árabes e israelenses e desde então já desdobrou 71 missões em sua busca incessante por estabilidade e paz com foco nos pilares do desenvolvimento e da segurança.

PEACEKEEPERS significa PACIFICADORES ou MANTENEDORES DA PAZ. São os ‘capacetes azuis’, pessoas muito bem preparadas que realizam seu trabalho em condições extremamente adversas e desafiadoras e, com muito heroísmo e abnegação, cumprem suas missões.”.

Durante os anos de 1993 e 1994, o então Major Getúlio Vergetti de Menezes participou como “peacekeeper” durante a Guerra da Bósnia, na Ex-Iugoslávia.

Neste período ele trabalhou na mediação dos conflitos na Croácia (cidades de Gospic e Sibenik), na Bósnia (Tarcin e Konjic) e na Sérvia (Belgrado).

Suas principais atribuições eram patrulhar as áreas de sua responsabilidade e Linhas de Contato; ajudar na solução de problemas locais e investigar protestos das partes em conflito; monitorar acordos de cessar fogo; retirada e desmilitarização das áreas em conflito; monitorar proibição de voos militares e civis no interior e nas fronteiras da Bósnia, como também no interior da Sérvia e Montenegro; monitorar ajuda humanitária em ligação com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e monitorar as negociações e a execução de trocas de prisioneiros de guerra e de cadáveres.

Hoje ele, já na reserva, sente muito orgulho de ter sido escolhido para essa honrosa missão, representando o Brasil que sempre se mantém alinhado aos princípios que regem a atuação externa como o pacifismo e a busca pela via do diálogo para a resolução das controvérsias.

O trabalho dos capacetes azuis brasileiros tem sido objeto de reconhecimento internacional e motivo de orgulho para o país.

“Tenho muito orgulho do trabalho desenvolvido na mediação durante os conflitos na
Ex-Iugoslávia”, disse Getúlio.