Cinema Destaques

‘Jurassic World: Domínio’ resgata o passado

3 de junho de 2022

Chris Pratt enfrenta os dinossauros que tomam conta do planeta no novo filme de Jurassic Park

Ainda que os dinossauros estejam habitando o mundo real e convivendo com a natureza ao seu redor, não é este o principal atrativo de Jurassic World: Domínio. Em cartaz nos cines Roxy, em Passos, e A, em Paraíso, o filme chama a atenção por resgatar os protagonistas do clássico Jurassic Park, de 1993: Alan Grant (Sam Neill), Ellie Sattler (Laura Dern) e Ian Malcolm (Jeff Goldblum). É a primeira vez, em quase 30 anos, que o trio de protagonistas se reúne.

Agora, eles se juntam com Owen Grady (Chris Pratt) e Claire Dearing (Bryce Dallas Howard) em um momento que era preparado desde Jurassic World, de 2015, e que dá sentido ao nome da franquia: os dinossauros tomaram conta da Terra. Com isso, em um universo quase distópico no qual répteis gigantes moram próximos às pessoas, surgem problemas como falta de harmonia do ecossistema e até mercado paralelo de dinossauros.

Assim como em todos os outros filmes da franquia Jurassic, há uma preocupação em jogar luz em temas ligados à sustentabilidade. De um lado, vilões que tentam controlar a natureza como se fossem uma divindade – no caso de Domínio, o dono da BioSyn, empresa de tecnologia que quer brincar com a genética. Do outro, pessoas sinceramente preocupadas com o que estão querendo fazer com esses dinossauros que voltaram à vida.

Nessa briga existe, ainda, a aventura recheada de tensão que Steven Spielberg criou lá em 1993. O diretor Colin Trevorrow, que já tinha comandado o Jurassic World de 2015, tenta insistentemente deixar tudo ainda mais megalomaníaco, com clones humanos, gafanhotos gigantescos e uma luta do bem contra o mal. No entanto, apesar de todos esses cosméticos, fica a sensação de que a ideia de Spielberg ainda respira, mesmo que de forma tão distinta.

Bem diferente, aliás, por conta de um movimento que começou justamente em 2015, ano em que o primeiro Jurassic World ganhava as telas e que se tornou um divisor de águas para a cultura pop. Na época, Vingadores mostrou o poder de juntar um grande elenco com personagens queridos. Já Star Wars: O Despertar da Força e Creed misturaram universos: Rey, Finn e Poe Dameron ao lado de Han Solo, Luke e Leia; Rocky Balboa e Adonis Creed.

Os bons resultados de bilheteria de todos esses filmes fizeram brilhar os olhos dos produtores de Hollywood. Ao longo dos anos seguintes, a ideia de unir personagens ganhou relevância, fazendo com que remakes e reboots se tornassem cada vez mais dispensáveis. O melhor é seguir o meio do caminho. É o que, a partir do filme Pânico, no começo de 2022, foi chamado de “requência” (junção de remake com sequência). Jurassic World, com um pouco de atraso, abraça esse mercado.

“Este é o filme que eu queria fazer desde o início”, disse Trevorrow, sobre o retorno do elenco, ao site Comicbook. “Passamos os dois últimos filmes construindo isso como parte de uma história maior. Acho até que as pessoas podem estar subestimando o tamanho e a importância dos personagens de Laura Dern, Sam Neill e Jeff Goldblum no filme.”

 

<a>
JURASSIC WORLD: DOMÍNIO (Jurassic World Dominion) EUA, 2022. Gênero: Aventura. Direção: Colin Trevorrow. Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Laura Dern, Sam Neill, Jeff Goldblum. Cine Roxy, em Passos, 18h30 (Dub). Cine A, em São Sebastião do Paraíso, 18h30 e 21h30 (Dub)