Agronegócio Destaques

Queijo Canastra fica em 1° no ranking mundial do Taste Atlas

22 de junho de 2022

Assistência técnica prestada pela Emater-MG garante qualidade e certificação do produto./ Foto: Divulgação.

BELO HORIZONTE – Produtores de Queijo Minas Artesanal da região da Canastra estão comemorando a classificação do produto, pelo site americano Taste Atlas, como o principal destaque em ranking dos 50 melhores queijos mundiais. O produto mineira aparece em primeiro lugar, deixando para trás os conhecidos Grana Padano, Gorgonzola Piccante e Pecorino Sardo, entre outros queijos famosos internacionalmente. O resultado foi divulgado na plataforma na última terça-feira, 21.

O reconhecimento da qualidade dos queijos mineiros e em particular, nesse momento, do Queijo Minas Artesanal, produzido na região produtora Canastra, muito nos orgulha. Tudo isso é resultado de um esforço conjunto de todo o sistema de agricultura do estado. Ninguém faz nada sozinho. Temos que destacar o trabalho da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG),  mas também da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig), do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a coordenação da Secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Todo o grupo tem sua contribuição no desenvolvimento da cadeia produtiva do leite e do queijo, com qualidade e segurança para os consumidores”, ressaltou o diretor-presidente da Emater-MG, Otávio Maia.

O gerente-executivo, Higor Douglas de Freitas, que representa a Associação dos Produtores de Queijo da Canastra (Aprocam), exaltou a conquista. “O Taste Atlas é como se fosse um guia de viagem. Ele recebe informações dos usuários e vai ranqueando”, disse.

Sobre a avaliação de consumidores do queijo mineiro, o representante da Aprocam complementa: “A gente fica feliz. É uma conquista expressiva, pois reconhece cada vez mais a qualidade do nosso queijo e o trabalho dos produtores para entregar um bom produto aos consumidores”, disse.

A Aprocam tem sede no município mineiro de São Roque de Minas e conta com 70 filiados de oito municípios da região produtora de Queijo Minas Artesanal da Canastra. Muitos dos seus associados desenvolvem trabalhos com a Emater-MG, segundo o gerente Higor. “Alguns dos nossos associados têm assistência da empresa e participam dos concursos de qualidade do Queijo Minas Artesanal municipal e regional”, esclareceu.

Proprietários da Fazenda São Bento Vargem Grande e da Queijaria J & C, ambas no município de São Roque de Minas, Maria Aparecida de Freitas e Jadir da Costa também festejam a novidade. “Muito importante. Não só para a gente, mas pra todos os produtores. Isso vai agregar mais valor monetário e confirmar, ainda mais, a boa qualidade do produto”, conclui Maria Aparecida.

Ela e o marido Jadir produzem de 25 a 28 queijos por dia, em média. Os queijos são comercializados em empórios de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, sendo reservada uma pequena parte para o comércio de São Roque de Minas, segundo Maria Aparecida. No último Concurso Municipal de Qualidade do Queijo Minas Canastra de São Roque de Minas, promovido pela Emater-MG, o queijo do casal ficou no quarto lugar, entre os cinco selecionados. A classificação garante a participação do produto, no próximo Concurso Regional de Qualidade do Queijo Minas Canastra, a ser realizado nesta sexta-feira, 24, em Vargem Bonita.

Concurso

Os concursos de qualidade do Queijo Minas Artesanal, promovidos pela Emater-MG nos níveis municipal, regional e estadual, têm por objetivo estimular a produção, agregar valor e incentivar a melhoria da qualidade do queijo e a legalização das queijarias junto aos órgãos de inspeção sanitária.

O Queijo Minas Artesanal é produzido a partir de leite de vaca cru, ordenhado na mesma propriedade onde fica a queijaria. A iguaria, além de seu sabor especial, se destaca por ser um dos representantes mais típicos da história mineira, com seu modo de preparo sendo passado entre gerações. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Fonte: Taste Atlas.