Agronegócio Destaques

Produtores de frango esperam que valorização se mantenha

Por Nathália Araújo / Redação

3 de novembro de 2021

Com os reajustes nos preços da carne vermelha, consumidores têm buscado opções mais em conta./ Foto: Reprodução.

PASSOS – Animados com o aumento no consumo e nas cotações, produtores de frango da região esperam que os reajustes acompanhem a valorização nos insumos. Mesmo com queda em relação aos recordes registrados em setembro pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq-Usp), o preço pago pelo quilo do frango congelado no atacado estava em R$7,79 na última sexta-feira, 29 de outubro.

De acordo com informações do Centro de Pesquisa do Cepea, o valor mais em conta da carne de frango em relação à bovina e à suína tem garantido o aumento no consumo e boa liquidez do produto.

O produtor Cássio Lemos da Silva atua neste mercado há mais de 10 anos e diz estar satisfeito com a demanda, mas espera que os preços se mantenham favoráveis.

“Não podemos reclamar porque muitas coisas inesperadas aconteceram neste ano, mas acho que a cotação do frango só acompanhou a do milho, que é o alimento base das aves. Ou seja, o preço aumentou, mas os custos de produção também e isso reflete nos lucros. Acredito que os reajustes são necessários até mesmo para impulsionar o agronegócio”, salienta o produtor.

Segundo pesquisadores do Cepea, a carne de frango se valorizou de forma consecutiva de maio a setembro deste ano, o que acabou limitando a liquidez do produto em outubro, visto que os elevados patamares dos preços afastaram parte dos demandadores das compras. Em setembro deste ano, a cotação do frango chegou a R$8,29, alta de cerca de 47% em relação ao mesmo mês de 2020 (R$5,63). A expectativa é de aumento nas vendas por conta das festas de fim de ano.

Novo no segmento, João Pedro Santos de Oliveira resolveu começar uma criação de frango no início do ano passado para complementar a renda da família, que também cultiva grãos.

“O trabalho exige tempo e certos cuidados, mas percebi que é um ramo muito bom, justamente pela grande procura. Agora, com os feriados e a aproximação das festas de fim de ano, as vendas já aumentaram bastante e espero que melhorem ainda mais”, disse.

O agrônomo João Carlos Leite orienta que os produtores devem seguir as recomendações sanitárias para garantir qualidade e agradar os consumidores.

“As instalações que abrigam as aves devem ser limpas regularmente, porque evita possíveis contaminações. Além disso, é fundamental que os animais sejam devidamente vacinados e vivam em locais confortáveis, de modo que contribua com o seu desenvolvimento. Investir em boas condições de produção é o que vai decidir o futuro do mercado, porque embora a procura seja boa, as pessoas também buscam por qualidade”, disse.