Agronegócio Destaques

Cotação do leite registra queda em outubro

Por Nathália Araújo / Redação

25 de novembro de 2021

De acordo com a Cepea, o litro do produto foi avaliado em R$2,74./ Foto: Reprodução.

PASSOS – De acordo com levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) o preço do leite registrou queda de 5,9% no balanço referente a outubro, sendo a segunda diminuição consecutiva desde setembro. A primeira quinzena de novembro também foi marcada por queda se a tendência é que o mercado permaneça neste ritmo. Na região, o litro do leite cru foi cotado em R$2,74.

Segundo o engenheiro agrônomo João Carlos Lemos, mesmo com a desvalorização no preço do produto, os investimentos para o setor continuam em alta.

“O milho e a soja são os grãos que compõem a ração do gado e, como permanecem com bons preços, a venda de leite ainda está aquecida. É certo que houve uma queda na cotação, mas acredito que os produtores devem continuar investindo, principalmente neste período de chuvas. Se até a próxima seca não houver reajustes significativos, talvez os animais sejam preparados para corte”, explicou.

Lemos menciona ainda que a procura por produtos lácteos é alta na região.

“Os custos de produção estão bem altos e a quantidade de leite disponível para a comercialização diminuiu um pouco. Então, tudo indica que a maior dificuldade será atender a demanda em nossa região. Quem fornece para laticínios ou possui contratos que envolvem grandes volumes de vendas, deve redobrar os cuidados com o rebanho para garantir a disponibilidade do produto”, disse.

João Batista de Souza trabalha com gado leiteiro há cerca de 40 anos e afirma que está preocupado com o futuro dos negócios.

“Já enfrentamos épocas de seca e com pouca produção de leite, apesar disso, neste ano, o comércio se manteve aquecido para o agronegócio e ainda temos muito trabalho pela frente. Se não tivermos a quantidade suficiente de leite para entregar aos clientes, vamos perder nossos lucros, então estamos fazendo o possível para que o pior não aconteça. Os pastos estão verdes e as vacas estão saudáveis, então não temos do que reclamar”, disse o produtor rural.