Agronegócio Destaques

Abril começa com as cotações de café pressionadas pela pandemia em importantes polos consumidores

3 de abril de 2021

Foto: Divulgação

A última semana foi marcada por uma sessão com baixas para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). A semana foi mais curta devido ao feriado mas, no entanto, marcada por grande desvalorização no mercado futuro: Maio/21 teve baixa de 190 pontos, valendo 121,60 cents/lbp, julho/21 registrou queda de 185 pontos, negociado por 123,55 cents/lbp, setembro/21 teve queda de 190 pontos, valendo 125,40 cents/lbp e dezembro/21 registrou desvalorização de 185 pontos, valendo 127,80 cents/lbp. 

No acumulado da semana, os preços recuaram 4,29% em Nova York. O mercado de café segue pressionado pela pandemia do Coronavírus. Novas restrições impostas em importantes polos consumidores, levantam incertezas quando ao consumo de café.  Ainda de acordo com a publicação, a média de 7 dias de novas infecções por Covid nos EUA subiu para 67.521 na terça-feira, o máximo em 4 semanas. Além disso, a França estendeu na quarta-feira um bloqueio nacional por quatro semanas para conter o recente aumento nas infecções por Covid.

Os preços do café arábica sofreram pressão de queda por conta das preocupações com a demanda relacionada à pandemia e da fraqueza do real“, destacou a análise do Barchart, site internacional, na quinta-feira, 01. 

Em Londres, o café tipo conilon também teve um dia de baixas. Maio/21 registrou desvalorização de US$ 17 por tonelada, valendo US$ 1325, julho/21 registrou baixa de US$ 16 por tonelada, negociado por US$ 1350, setembro/21 recuou US$ 16 por tonelada, valendo US$ 1370 e novembro/21 também encerrou com desvalorização de US$ 16 por tonelada, valendo US$ 1386. No acumulado da semana, o café conilon desvalorizou 3,71% no exterior. 

Do lado positivo dos preços, o Barchart destacou que a National Coffee Association divulgou durante o pregão que os pedidos de café em trânsito aumentaram 30% em relação a janeiro de 2020, à medida que mais pessoas saem para trabalhar.” O grupo também informou que o consumo de café em casa está em um recorde e aumentou 8% em relação a janeiro de 2020″, complementou a publicação. 

Além disso, a cooperativa Cooxupé divulgou na quarta-feira (31) uma expectativa de quebra de 32% na produção de café arábica na safra 21. Os números indicam uma produção de 7,49 milhões de sacas. A produção mais baixa se deve ao clima seco e quente e à metade de menor rendimento do ciclo bienal. No Brasil, a quinta-feira foi de estabilidade nas principais praças produtoras do país. 

O tipo 6 bebida dura corrida manteve a negociação por R$ 732,00 em Guaxupé/MG, Poços de Caldas/MG manteve o valor de R$ 700,00, Patrocínio/MG manteve o valor de R$ 732,00, Araguarí/MG manteve a negociação por R$ 740,00, Varginha/MG manteve por R$ 728,00 e Franca/SP por R$ 730,00. O café cereja descascado manteve a negociação por R$ 775,00 em Guaxupé/MG, Poços de Caldas/MG manteve o valor por R$ 740,00, Patrocínio/MG por R$ 760,00 e Varginha/MG por R$ 765,00.

Fontes: Notícias Agrícolas