• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    03/02/2015 00h00

    Trabalho divino

    Após anos de subsídios ao consumo de energia elétrica, que curiosamente beneficiam a manufatura com aplicação intensiva de capital, o governo decidiu que em 2015 as contas de energia elétrica no Brasil vão encarecer em 30%. De fato, 30% é a projeção otimista do ministro de Minas e Energia Eduardo Braga. É provável que os reajustes cheguem a 40% em média, mas o ministro, como de praxe na administração dilmista, prefere navegar por bravatas até que a realidade torne a narrativa do governo insustentável.

    Já foram feitos novos acréscimos à conta de luz dos brasileiros, na forma das “bandeiras”, que representam os custos extras da geração de energia para cada região. Grandes nacos do território brasileiro estão agora sob a bandeira “vermelha”, que informa que a geração de energia na região é suplementada por termelétricas cujo custo de operação é mais alto.

    Além do aumento, os brasileiros também convivem agora com frequentes apagões, rotineiros já em janeiro de 2015. É como se tivéssemos voltado no tempo para 2001, quando por uma hora todos os dias a energia era cortada. Em 2005, Lula afirmava, em mais um de seus discursos megalomaníacos recheados de “nunca antes na história deste país”, que “nunca mais” ocorreriam apagões no Brasil. Ele não teve clarividência suficiente nem para terminar seu governo sem apagões. Em 2007, dois estados ficaram no escuro. Em 2009 quase todo o Brasil ficou sem energia e Lula respondia que as novas faltas de luz só dependiam “de Deus”. Desde então, Deus aparentemente ordenou vários apagões todos os anos no país.

    Em 2015, os petistas ainda depositam todas as suas fichas na benevolência divina, que tem que fazer chover para que as hidrelétricas possam gerar energia para o povo. À crise de geração de energia se soma também a crise do abastecimento de água. A seca em São Paulo já leva ao racionamento. Outra coisa curiosa é que 70% da água fornecida pelos reservatórios que minguam vai direto para o consumo do altamente subsidiado agronegócio brasileiro. E 22% vai para o altamente subsidiado parque industrial paulista. Os 8% restantes são consumidos pelas residências, sempre forçadas a fazer os maiores cortes em consumo (...)

    O que mais impressiona no discurso das diversas esferas de governo é que, neles, a natureza parece ser indomável e imprevisível. Qualquer medida que envolva projeções futuras é completamente absurda e inviável para o governo — que, evidentemente, funciona em ciclos de 4 em 4 anos e qualquer medida tomada só é capaz de solucionar os problemas até o fim do mandato. Se falta água para as hidrelétricas, nada se pode fazer a não ser rezar para que as chuvas restaurem os níveis das barragens. Se falta água potável, somente a natureza pode reabastecer os reservatórios. Como uma tribo para quem qualquer influência humana sobre o clima é anátema, a única solução proposta pelo governo é sempre um apelo à sorte e à graça divina.

    Os políticos brasileiros devem ter cuidado, porém. A graça divina periodicamente atende os chamados de chuva. E com a dádiva das chuvas, periodicamente as cidades brasileiras são inundadas e centenas de pessoas morrem e ficam desabrigadas. Embora isso ocorra anualmente, sem falta, para o governo as enchentes são imprevisíveis. O jeito, é claro, é rezar por chuvas. Mas não tantas.

    Erick Vasconcelos (Centro por uma Sociedade Sem Estado) – São Paulo/SP

    Matéria exclusiva para assinantes

    Faça já a sua assinatura, tenha o jornal impresso em sua casa ou dê de presente para quem você gosta e ganhe o acesso nas páginas digitais pela internet, ou seja: Versão Impressa + Digital.

    Mais sobre a editoria

    13 de Novembro de 2018
  • 09 de Novembro de 2018
  • 08 de Novembro de 2018
  • 07 de Novembro de 2018
  • 06 de Novembro de 2018
  • 05 de Novembro de 2018
  • 01 de Novembro de 2018
  • 31 de Outubro de 2018
  • 30 de Outubro de 2018
  • 29 de Outubro de 2018
  • Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2018 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus