• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8859-0028

    Passos
    ESCOLHA UMA CIDADE

    Passos

    18º MIN 28º MÁX
    MOEDA
    Dólar Euro Peso Libra Bitcoin
    COMPRA
    R$ 3,23 R$ 3,85 R$ 0,19 R$ 4,30 R$ 29.100,00
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    20/07/2013 00h00

    Angra dos Reis tem mapa de risco inédito para prevenção a desastres naturais

    Agência Brasil
    Alana Gandra

    Estudos do Instituto Geotécnico de Reabilitação do Sistema Encosta-Planície (Reageo) resultaram em um mapa inédito de risco para prevenção a desastres naturais no município de Angra dos Reis, no sul do estado do Rio de Janeiro, encomendado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). O mapa inclui a região central da cidade e a Ilha Grande, em uma extensão de 70 quilômetros quadrados. Em 2010, as áreas foram afetadas por enchentes e deslizamentos de terra, que mataram cerca de 50 pessoas.

    O professor de Engenharia Geotécnica do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maurício Ehrlich, membro do Reageo, defendeu que os governos federal e estaduais invistam em mapas topográficos em escala de “pelo menos” um para 5 mil, nos grandes centros e nas regiões mais suscetíveis a desastres naturais.

    O especialista disse que o procedimento adotado para a elaboração do mapa do Reageo têm por base a história da região. “É quase um inventário de informações. Se ela [região] não tem histórico de ruptura, diz-se que o risco é baixo”. Além disso, foram feitas fotos de satélites. Por ser mais detalhado, o mapa do Reageo “pode cumprir seus propósitos mais adequadamente”.

    “Para chegar a um mapa de risco, primeiro você tem que definir o mapa de suscetibilidade, que indica a maior ou menor possibilidade de haver ruptura de encosta em um determinado local”. São coletadas informações sobre fatores como declividade da encosta, altura, tipo de solo, vegetação, ocupação, descida de água. O levantamento demandou um ano de trabalho.

    A etapa seguinte se baseou nos dados de ocupação e definiu o mapa de risco. “Se você não tiver uma ruptura na encosta, o risco, isto é, a consequência do que pode acontecer, é zero”. Ehrlich esclareceu que o risco também envolve, além dos habitantes, as facilidades que existem, como o custo de implantação de ruas e de casas, além de danos ao patrimônio.

    O mapa do Reageo identificou que em torno de 25% das áreas pesquisadas apresentam riscos muito elevado e elevado. Essas áreas são também as que mostram maior ocupação populacional. De acordo com o mapa, cerca de 8 mil pessoas que vivem em áreas de alto risco terão de ser transferidas para outros locais, menos sujeitos a colapso, devido à alta suscetibilidade aos desastres naturais. O fator deflagrador é sempre o mesmo: a chuva.

    Com base no mapa, os pesquisadores da Coppe/Reageo sugerem que as autoridades privilegiem as áreas de risco moderado para baixo no processo de futura expansão e de realocação de pessoas. Nesses locais, foram sugeridas ainda obras de drenagem para melhorar de forma considerável as condições dos terrenos. 

    Matéria exclusiva para assinantes

    Faça já a sua assinatura, tenha o jornal impresso em sua casa ou dê de presente para quem você gosta e ganhe o acesso nas páginas digitais pela internet, ou seja: Versão Impressa + Digital.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8859-0028

    © 1984 - 2017 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus