• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    16/01/2020 08h16 - Atualizado em 16/01/2020

    Minha Mãe É uma Peça 3 chega ao Roxy

    Personagem de Paulo Gustavo é protagonista da 3ª parte da franquia de comédia

    Ao fim das quase duas horas de filme e uns bons minutos de créditos homenageando a família de Paulo Gustavo, é de se perguntar se a franquia Minha mãe é uma peça não começa a dar sinais de cansaço em seu terceiro exemplar. Não que o filme deva desagradar aos fãs e às fãs; está tudo lá que fez a fama de Dona Hermínia, seu jeito de pouca paciência e desbocado, seu lado mãe amorosa, suas idas e vindas com o pai dos filhos (Herson Capri), enfim, tudo o que já esteve nos dois primeiros filmes. Mas é só.


    Dirigido por Susana Garcia, o longa não mostra receio de repetir seus antecessores e a si mesmo. Realmente, ao menos num aspecto, não há problema em manter o que há de melhor na franquia: a interpretação de Paulo Gustavo. Por mais que se possa ter birra dele ou da personagem, é impossível não rir algumas vezes com as trapalhadas e intromissões de Hermínia, sempre com a melhor das intenções. A protagonista é grande, é uma excelente figura cômica e até humana, mas as personagens coadjuvantes simplesmente não existem. Sabemos que uma comédia joga com estereótipos, mas aqui nem isso funciona. Parece haver uma involução do filho (Rodrigo Pandolfo) e da filha (Mariana Xavier). Eles já foram maiores e mais interessantes, aqui são apenas escadas para Gustavo subir degrau por degrau, pisando na cabeça deles até chegar ao topo.


    O filho, Juliano, avisa que vai se casar – e o filme traz a relação homoafetiva mais sanitizada da história do cinema, nem abraçar o namorado ele abraça -, enquanto sua irmã, Marcelina, se descobre grávida do namorado bicho-grilo. O potencial de humor dessas situações é minado enquanto o filme acumula cenas e mais cenas que poderiam estar em qualquer outro filme protagonizado pela personagem. Essas sub-tramas, aliás, somem e só voltam nos momentos em que não há outro lugar para a narrativa ir, precisando de um novo incidente para seguir em frente.


    Talvez a questão de Minha mãe é uma peça 3 seja exatamente essa: fazer rir sem querer exigir muito. A ideia parece ser não cobrar uma trama um pouco mais elaborada, pois a sequência do filme nacional de maior sucesso de 2017 não vai querer mudar o padrão logo agora que está faturando alto.

     

    MINHA MÃE É UMA PEÇA 3


    Cine Roxy, em Passos.


    Minha mãe é uma peça 3. Brasil, 2019. Gênero: Comédia. Direção: Susana Garcia. Elenco: Paulo Gustavo, Herson Capri, Mariana Xavier, Rodrigo Pandolfo, Samantha Schmutz. Cine Roxy em Passos, 18h00, 20h00 e 22h00.
     

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus