• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    07/01/2020 08h02 - Atualizado em 07/01/2020

    Cerca de 80% da população sofre de dores na coluna

    É IMPORTANTE CUIDAR DO EMOCIONAL. AS PREOCUPAÇÕES DO DIA A DIA TAMBÉM FAZEM COM QUE DORES NAS COSTAS APAREÇAM. E, COM A TENSÃO, ELAS AUMENTAM

    Dados da Organização da Saúde mostram que 80% da população brasileira reclama com problemas de dores nas costas. De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, 36% da população tem sido atingida com forma crônica da doença.


    Cláudio Coimbra, autônomo, começou a sentir fortes dores na coluna quando tinha cerca de 30 anos. “Trabalhei por muitos tempo como viajante, 25 anos de estrada rodando por três estados do país. Para visitar clientes, eu chegava a viajar, as vezes, mais de mil quilômetros em um dia, quando a viagem era muito longa. Por isso, eu ficava muito tempo na mesma posição. E um belo e comum dia de viagem, fui levantar e não conseguia andar, tive que ir direto para o hospital”, contou Coimbra.


    O passense contou que, por conta da gravidade do problema de coluna, passou por vários médicos; ortopedistas e neurologistas, e acabou tendo de fazer uma cirurgia de hérnia de disco. “Aquele disco nas minhas costas já estava totalmente perdido, não dava mais para recuperá-lo. Passei, então, pela cirurgia além de meses de recuperação com fisioterapia e retornos ao médico. No entanto, alguns meses após a recuperação cirúrgica, o problema nas costas voltou outros discos começaram a querer se romper”, lamentou o autônomo.


    Foi nessa época que um dos profissionais que acompanhavam Coimbra durante a recuperação da cirurgia, disse ao autônomo que seria de suma importância que ele começasse alguma atividade física. “Eu nunca tinha me exercitado, nunca! Comecei aos poucos. Fiz hidroginástica e um ano depois, quando já me sentia mais fortalecido, passei para musculação. O exercício físico foi primordial na minha vida, além de cuidados na hora de levantar, me agachar, me virar, aprendi a ter mais cuidado na hora de fazer movimentos e tarefas do dia a dia e hoje minha vida é outra”, afirmou o autônomo.


    “Meu problema foi tão sério que hoje dirijo com uma carteira de habilitação especial para deficientes físicos, mas depois que mudei meu estilo de vida e deixei de ser sedentário, mesmo tendo passado por todos esses problemas, consigo andar normalmente. Hoje só posso dirigir carro automático, ainda assim, consigo pegar estrada. Também limpo casa, cuido dos meus filhos, faço tudo que sem problema algum. Minha coluna, hoje, é fortalecida”, disse contente o autônomo.


    Marisa Cristina Reis, fisioterapeuta, disse à equipe da Folha da Manhã que problemas de coluna aparecem com mais frequência do que possamos imaginar. “Tenho muitos clientes de serviço homecare (atendimento em casa) que tratam somente de coluna. E não são só adultos não, jovens também tem sofrido de dores nas costas, e até adolescentes na faixa dos 15 anos. Isso porque a população anda muito sedentária”, alertou a fisioterapeuta.


    A fisioterapeuta comentou que cuidar e se policiar antes que o problema apareça é fundamental. “Principalmente quem tem uma pré disposição para esse tipo de dor. Mesmo que estejamos no corre corre do dia a dia temos que prestar atenção as nossas atividades diárias básicas como o andar, o sentar e, até mesmo o deitar de forma correta”, explicou.


    A profissional da saúde disse que uma caminhada, andar de bicicleta ou uma academia de ginástica, já fazem uma grande diferença na vida da população. “Temos que nos amar. Se estamos ocupados ao ponto de não conseguir fazer nenhum exercício, pelo menos um tempinho para se alongar em casa mesmo já minimiza as dores. Deite no chão e alongue a coluna. Também é possível fazer o mesmo alongamento encostando o corpo na parede,” explicou.


    Marisa alertou sobre movimentos do cotidiano que devem ser feitos com cuidado. “Deitar rápido, levantar rápido, girar apenas a parte superior do corpo para pegar algo, ou até mesmo pegar algum objeto do chão mesmo que seja leve ou pesado, tudo tem um jeito certo. Temos que policiar nossa postura para não nos machucarmos em um movimento errado”,disse a fisioterapeuta. Mariza lembrou que permanecer por um longo tempo na mesma posição pode trazer sérios problemas de saúde para as pessoas, dentre eles, a má circulação. Se essa situação se enquadra em seu caso, veja no quadro, dicas que podem ser úteis para eliminar as dores nas costas.


    Mariza alertou sobre problemas em usar salto alto e disse o corpo humano não foi feito para sapatos como esses. “Isso não significa que todas as mulheres que usarem salto alto terão problemas de coluna. Porém, esse tipo de sapato altera a maneira de andar. Os ombros vão para trás e a cabeça para frente e isso muda a angulação da coluna, o que pode prejudicar o pescoço e a lombar, além de aumentar as chances de alteração postural.


    Além disso, o emocional também pode trazer dores no local. “É importante cuidar do emocional. As preocupações do dia a dia fazem com que dores nas costas aparecem e, dependendo do acumulo de tensão, as dores podem vir em diversos graus de intensidade. Temos que cuidar de nós mesmos. Temos que nos amar”, finalizou Marisa. E disse que mesmo que não pareça ser algo tão sério, é importante buscar ajuda médica, pois somente o médico da área vai indicar o tratamento correto e específico para cada particularidade clínica.

    Matéria exclusiva para assinantes

    Faça já a sua assinatura, tenha o jornal impresso em sua casa ou dê de presente para quem você gosta e ganhe o acesso nas páginas digitais pela internet, ou seja: Versão Impressa + Digital.

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2020 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus